Voltar para home page
Saúde

AIDS: é preciso prevenir e conscientizar!

AIDS: infectologista esclarece as dúvidas mais comuns sobre o vírus HIV.

AIDS: infectologista esclarece as dúvidas mais comuns sobre o vírus HIV.

Atualmente, dados do Ministério da Saúde estimam que 866 mil pessoas vivem com o HIV - retrovírus sexualmente transmissível causador da AIDS, uma doença que afeta a saúde por atacar o sistema imunológico, responsável por defender o corpo de outros males.

Quando os sintomas começam a aparecer após o primeiro contato, geralmente podem ser confundidos com uma gripe - o que não desperta a atenção em muitos casos. Após essa fase, o HIV pode ficar assintomático por anos - até que o organismo começa a ficar vulnerável e os linfócitos T CD4+ (glóbulos brancos do sistema imunológico) começam a diminuir. Nesse momento, é possível ter quadros de febre, diarreia, suores noturnos e emagrecimento sem explicação.

Com o organismo enfraquecido, outras doenças então ganham espaço - são as chamadas doenças oportunistas. Esse é o estágio mais avançado do quadro, conhecido de fato como AIDS.

O teste de HIV pode ser feito com regularidade ou sempre que o indivíduo passar por uma situação de risco. Para isso, há dois tipos de exames: o laboratorial e o teste rápido (que fica pronto em até 30 minutos e só necessita de uma gota de sangue do paciente).

Quando uma pessoa é diagnosticada com o vírus HIV, é importantíssimo seguir o tratamento para evitar que a condição evolua para a AIDS. Hoje em dia, com os avanços na medicina, é possível baixar a carga viral para níveis indetectáveis em exames - o que torna a condição intransmissível para outras pessoas.

Para entender melhor como ocorre o desenvolvimento da doença e derrubar alguns mitos sobre o assunto, confira a entrevista com a Infectologista Adriana Abou Said.

Todas as pessoas que vivem com o vírus HIV têm AIDS?

Não. Quem possui o vírus do HIV, na sua grande maioria, tem quadros assintomáticos. A AIDS é a evolução do quadro, com o aparecimento de doenças oportunistas ou sintomas que são comuns a esse estágio da doença.

Em quais situações pode ocorrer o contágio?

A principal forma de contágio é pelo sexo desprotegido ou contato com secreções com o vírus do HIV - como sêmen, leite materno, sangue, compartilhamento de seringas e materiais perfurocortantes.

Quanto às estratégias de prevenção, o que são e quais as diferenças entre PrEP (Profilaxia Pré-Exposição), PEP (profilaxia pós exposição) e o uso de preservativos?

A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) refere-se a uma combinação contínua de duas medicações com o objetivo de prevenir o contágio pelo vírus HIV. A Profilaxia Pós-Exposição (PEP) consiste no consumo de três remédios por 28 dias, e é indicada para casos em que houve um contato sexual desprotegido ou com materiais possivelmente portadores do retrovírus - como perfurocortantes. Já o uso de preservativos vai além do HIV e protege para outras infecções sexualmente transmissíveis, como sífilis, HPV e gonorreia.

Durante relações sexuais, o vírus só é transmitido caso haja penetração?

Se a pessoa tiver uma ferida ou quebra de barreira e tiver contato com o vírus (como descrito acima), poderá ser contaminada com o vírus HIV. Nesses casos, o sexo oral também pode ser uma fonte de contaminação.

Quem convive com o HIV possui menor expectativa de vida mesmo quando é feito o tratamento?

Varia de caso a caso. Na atualidade, os medicamentos antirretrovirais causam bem menos efeitos colaterais e são muito mais eficazes quando comparados com as primeiras drogas lançadas na década de 1990. Mas se quem possui o HIV não realizar o tratamento adequado, sem detectar as cargas virais, haverá a progressão da doença para AIDS, facilitando comorbidades que podem chegar ao óbito.

Como funciona o tratamento para quem vive com o vírus HIV?

O Brasil realiza a distribuição da medicação gratuitamente pelo SUS. Na atualidade, o processo principal inclui o uso de três medicações ativas contra o vírus do HIV, sendo necessário o uso diário, contínuo e sem pausas. Após se adaptar à medicação e seguindo corretamente o tratamento, o paciente evolui para a carga viral indetectável - e, nesse momento, o procedimento fica estabilizado e segue sem precisar de alterações periódicas.

Com o tratamento correto, é possível que a taxa do vírus seja indetectável em exames. Nesse caso, é verdade que a doença se torna sexualmente intransmissível?

O estudo PARTNER, que foi multicêntrico, concluiu que caso haja cargas virais indetectáveis por mais de 12 meses, a chance de contaminação do parceiro é praticamente nula. Inclusive, órgãos importantes como OMS, CDC-EUA, Ministério da Saúde e sociedades de medicina já usam a expressão U=U (não detectável = não transmissível).

De tempos em tempos, são divulgados alguns estudos que mostram avanços na cura da AIDS. Poderia falar um pouco sobre o assunto - e o que dificulta encontrar a cura definitiva para essa doença?

O vírus do HIV se "esconde" em locais onde a medicação não consegue agir - principalmente dentro do Linfócito T CD4+ e em santuários (ou reservatórios). Há várias pesquisas para encontrar a cura definitiva - como, por exemplo, a vacina para bloquear a entrada do vírus nos Linfócitos T CD4+ e medicações para a "expulsar" do HIV dos santuários. O maior problema, por enquanto, é a eficácia dessas drogas para alcançar resultados satisfatórios no maior número de pessoas possível.

E lembre-se: o quanto antes for descoberta a sorologia positiva para HIV, menores são as chances do retrovírus evoluir para um quadro de AIDS. Por isso é importante fazer o teste com regularidade ou sempre que passar por uma situação de risco - e, caso o diagnóstico aponte a presença do vírus, iniciar o tratamento com acompanhamento médico constante. Dessa forma, com os cuidados corretos, é possível ter uma vida saudável e normal.

Últimas novidades

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Saúde

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Diabetes é uma das doenças mais comuns e que mais matam no mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), existem mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença no Brasil e os números não param de crescer. Em muitos casos, uma pessoa pode ser diabética sem saber. A diabetes pode se manifestar nos tipos I e II: com ações diferentes no organismo, cada uma demanda um cuidado específico. Entenda mais e veja como evitar as complicações graves.

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

Bem-estar

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

As recomendações dos principais órgãos de saúde são claras: é preciso ficar em casa para se proteger do novo coronavírus. A quarentena, no entanto, pode ser muito estressante: afinal, estamos no meio de uma pandemia e longe dos amigos e família. Nesse momento, se promover alguns momentos de autocuidado e relaxamento podem ajudar. Pensando nisso, separamos 5 práticas para você cuidar do seu bem-estar físico e emocional e deixar os seus dias mais leves durante esse período difícil. Confira!

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

Saúde

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

A candidíase é uma doença causada por fungos que, em geral, atinge mais a região genital do corpo. Apesar da infecção poder afetar ambos os sexos, as mulheres são as que mais sofrem com o incômodo. A candidíase causa muito desconforto e pode ser desencadeada por desequilíbrios no sistema imunológico, estresse e uso de roupas muito apertadas. Os sintomas mais comuns são ardência, coceira, inchaço, corrimento, dor ao urinar e durante as relações sexuais. Entenda mais sobre o problema e como aliviar!

Como manter o sono regulado na quarentena?

Bem-estar

Como manter o sono regulado na quarentena?

A má qualidade de sono pode trazer diversos prejuízos para a saúde do corpo e da mente. É durante a noite que o organismo passa por processos metabólicos importantes para o seu funcionamento. Dormir a quantidade de horas recomendadas é fundamental para que o corpo se recupere energeticamente. Durante a quarentena, no entanto, as mudanças de rotina, associadas com o estresse e alimentação, podem desregular o sono e até mesmo contribuir para a insônia. Confira algumas dicas de como combater esse problema e dormir melhor nesse período complicado!

Ver mais