Voltar para home page
Alimentação saudável

Alergias alimentares: veja os alimentos que mais causam reações

Algumas alergias alimentares podem ser muito graves e até levar à morte!

Algumas alergias alimentares podem ser muito graves e até levar à morte!

A alergia alimentar ocorre quando o sistema imunológico gera uma reação à proteína de algum alimento consumido. Apesar de ser mais comum em crianças, o problema também pode atingir adultos de qualquer idade (inclusive, pode se manifestar de uma hora para outra). Em todas as situações, os sintomas costumam ser muito variáveis: podem se apresentar na pele, no sistema respiratório ou gastrointestinal. A alergia alimentar pode ser leve, com coceiras pontuais, ou mais grave. Em alguns casos, é capaz de comprometer o funcionamento de alguns órgãos e até levar à morte quando ocorre uma reação mais intensa, chamada anafilaxia.

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), a predisposição para desenvolver uma alergia alimentar pode ter relação genética: cerca de 50% a 70% dos pacientes com diagnóstico de alergia possuem histórico familiar. Em outros casos, alterações no estômago e no intestino também podem influenciar, segundo a entidade. Qualquer alimento pode causar uma alergia, mas com alguns itens é mais comum. Veja abaixo os alimentos que mais causam reações no organismo!

Vilões da alergia alimentar: quais alimentos estão mais relacionados ao problema?

#1 Leite e derivados

Três proteínas (caseína, alfa-lactoalbumina e beta-lactoglobulina) presentes no leite e derivados são responsáveis por essa alergia tão comum no Brasil, que afeta principalmente crianças até os 5 anos de idade. A reação adversa se manifesta, normalmente, com vômitos, diarreia e sangue nas fezes, mas também pode ocorrer cólica, irritabilidade e falta de apetite. Reações na pele e no sistema respiratório também podem ser notadas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o problema pode causar má absorção de nutrientes, algo que prejudica o crescimento da criança.

#2 Ovos

A alergia ao ovo também é bem comum no Brasil e ocorre quando o organismo reage às proteínas do alimento (chamadas de ovomucoide e ovoalbumina), presentes na gema e na clara. Os sintomas mais comuns são coceira e pele avermelhada, vômitos, dor no estômago e alguns problemas respiratórios, como dificuldade para respirar, coriza e tosse. É importante lembrar que o ovo está presente em algumas vacinas, como a de febre amarela, então sempre consulte um médico de confiança caso tenha a alergia.

#3 Frutos do mar

A alergia a frutos do mar, como camarão, lagosta e caranguejo, pode surgir de uma hora para outra. O camarão, principalmente, é um dos principais causadores de alergia em adultos. Por ser uma reação grave (anafilaxia) e que pode levar à morte em minutos, a pessoa precisa ser atendida por um médico imediatamente. Segundo a ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia), pessoas com asma, dermatite atópica e rinite têm mais propensão a desenvolver a alergia. A reação se manifesta, normalmente, com falta de ar, insuficiência respiratória, inchaço e cólicas. O ideal é evitar o consumo desses alimentos.

#4 Amendoim

Mais comum em crianças, a alergia ao amendoim pode ser bem persistente. A reação ocorre quando o sistema imunológico se manifesta com a presença de algumas substâncias presentes na leguminosa. Os sintomas podem ser brandos ou mais graves (anafilaxia). Os mais comuns são: vermelhidão na pele, diarreia, vômitos, além do inchaço no olho, boca e garganta. Pessoas com asma podem ter a crise agravada com o alimento.

#5 Soja

Muito comum em bebês e crianças até os 10 anos de idade, a alergia a soja ocorre quando o sistema imunológico vê a proteína do alimento como algo prejudicial para o organismo. A questão é que a soja está presente em diversos produtos processados, então é preciso ficar atento aos sinais. A alergia não é grave e pode ser controlada. Os sintomas mais comuns da reação são irritação na pele, congestionamento nasal e coceiras na região da boca.

Fontes: Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia e Sociedade Brasileira de Pediatria

Últimas novidades

Como funciona a vacina contra HPV?

Saúde

Como funciona a vacina contra HPV?

A vacina contra HPV (Papilomavírus Humano) é uma das formas mais eficazes de prevenir a infecção, que pode ter vários tipos e níveis de gravidade. A transmissão ocorre pelo contato sexual ou de mãe para filho e pode atingir pele e mucosas. Além disso, algumas versões do vírus são agentes causadores de diversos cânceres, incluindo o do colo de útero - que, segundo a Organização Mundial da Saúde, afeta cerca de 290 milhões de mulheres no mundo inteiro. A vacina tem uma ação preventiva contra os tipos mais comuns da infecção e pode ser administrada ainda na adolescência.

Acidente Vascular Cerebral: o que é, causas e como prevenir

Emergência

Acidente Vascular Cerebral: o que é, causas e como prevenir

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma dos problemas mais comuns no mundo inteiro. Também conhecido com derrame cerebral, ele acontece por causas variadas e pode levar à morte - ou provocar consequências graves que afetam toda a vida do paciente. A junção de alguns sintomas ajudam a identificar o problema, que precisa de um atendimento médico imediato. O AVC ainda é cercado de mitos e dúvidas, mas uma coisa é certa: o problema pode ser evitado com atitudes simples no dia a dia.

4 benefícios cientificamente comprovados da meditação

Terapias

4 benefícios cientificamente comprovados da meditação

A meditação é um método milenar associado à saúde e ao bem-estar físico e mental. Não se sabe ao certo quando ou onde surgiu, já que a prática acompanha a humanidade desde os seus primórdios, mas uma coisa é certa: a meditação tem ganhado mais popularidade e, inclusive, é indicada no tratamento de diversos transtornos. O método pode ser resumido como um treinamento da mente para esvaziar ou redirecionar os pensamentos. Na prática, é muito mais do que isso e a ciência pode comprovar. Veja abaixo 4 benefícios da meditação com respaldo científico!

Vegetarianismo: o que você precisa considerar antes de fazer a transição?

Alimentação saudável

Vegetarianismo: o que você precisa considerar antes de fazer a transição?

Causa animal, saúde, cuidado com o meio ambiente ou consumo consciente: as motivações para uma pessoa se tornar vegetariana são muitas. O vegetarianismo consiste, basicamente, em não consumir produtos de origem animal (carnes, laticínios e ovos), com algumas variações. Uma pesquisa divulgada pelo Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), em abril de 2018, mostrou o crescimento da prática no país: cerca de 14% dos brasileiros se consideram vegetarianos, um aumento de 75% em comparação a 2012. Não há contraindicação para esse tipo de dieta, mas é necessário que você faça um acompanhamento médico para adequar a alimentação sem prejudicar a sua saúde.

Ver mais