Voltar para home page
Alimentação saudável

Alergias alimentares: veja os alimentos que mais causam reações

Algumas alergias alimentares podem ser muito graves e até levar à morte!

Algumas alergias alimentares podem ser muito graves e até levar à morte!

A alergia alimentar ocorre quando o sistema imunológico gera uma reação à proteína de algum alimento consumido. Apesar de ser mais comum em crianças, o problema também pode atingir adultos de qualquer idade (inclusive, pode se manifestar de uma hora para outra). Em todas as situações, os sintomas costumam ser muito variáveis: podem se apresentar na pele, no sistema respiratório ou gastrointestinal. A alergia alimentar pode ser leve, com coceiras pontuais, ou mais grave. Em alguns casos, é capaz de comprometer o funcionamento de alguns órgãos e até levar à morte quando ocorre uma reação mais intensa, chamada anafilaxia.

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI), a predisposição para desenvolver uma alergia alimentar pode ter relação genética: cerca de 50% a 70% dos pacientes com diagnóstico de alergia possuem histórico familiar. Em outros casos, alterações no estômago e no intestino também podem influenciar, segundo a entidade. Qualquer alimento pode causar uma alergia, mas com alguns itens é mais comum. Veja abaixo os alimentos que mais causam reações no organismo!

Vilões da alergia alimentar: quais alimentos estão mais relacionados ao problema?

#1 Leite e derivados

Três proteínas (caseína, alfa-lactoalbumina e beta-lactoglobulina) presentes no leite e derivados são responsáveis por essa alergia tão comum no Brasil, que afeta principalmente crianças até os 5 anos de idade. A reação adversa se manifesta, normalmente, com vômitos, diarreia e sangue nas fezes, mas também pode ocorrer cólica, irritabilidade e falta de apetite. Reações na pele e no sistema respiratório também podem ser notadas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), o problema pode causar má absorção de nutrientes, algo que prejudica o crescimento da criança.

#2 Ovos

A alergia ao ovo também é bem comum no Brasil e ocorre quando o organismo reage às proteínas do alimento (chamadas de ovomucoide e ovoalbumina), presentes na gema e na clara. Os sintomas mais comuns são coceira e pele avermelhada, vômitos, dor no estômago e alguns problemas respiratórios, como dificuldade para respirar, coriza e tosse. É importante lembrar que o ovo está presente em algumas vacinas, como a de febre amarela, então sempre consulte um médico de confiança caso tenha a alergia.

#3 Frutos do mar

A alergia a frutos do mar, como camarão, lagosta e caranguejo, pode surgir de uma hora para outra. O camarão, principalmente, é um dos principais causadores de alergia em adultos. Por ser uma reação grave (anafilaxia) e que pode levar à morte em minutos, a pessoa precisa ser atendida por um médico imediatamente. Segundo a ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia), pessoas com asma, dermatite atópica e rinite têm mais propensão a desenvolver a alergia. A reação se manifesta, normalmente, com falta de ar, insuficiência respiratória, inchaço e cólicas. O ideal é evitar o consumo desses alimentos.

#4 Amendoim

Mais comum em crianças, a alergia ao amendoim pode ser bem persistente. A reação ocorre quando o sistema imunológico se manifesta com a presença de algumas substâncias presentes na leguminosa. Os sintomas podem ser brandos ou mais graves (anafilaxia). Os mais comuns são: vermelhidão na pele, diarreia, vômitos, além do inchaço no olho, boca e garganta. Pessoas com asma podem ter a crise agravada com o alimento.

#5 Soja

Muito comum em bebês e crianças até os 10 anos de idade, a alergia a soja ocorre quando o sistema imunológico vê a proteína do alimento como algo prejudicial para o organismo. A questão é que a soja está presente em diversos produtos processados, então é preciso ficar atento aos sinais. A alergia não é grave e pode ser controlada. Os sintomas mais comuns da reação são irritação na pele, congestionamento nasal e coceiras na região da boca.

Fontes: Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia e Sociedade Brasileira de Pediatria

Últimas novidades

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Saúde

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Diabetes é uma das doenças mais comuns e que mais matam no mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), existem mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença no Brasil e os números não param de crescer. Em muitos casos, uma pessoa pode ser diabética sem saber. A diabetes pode se manifestar nos tipos I e II: com ações diferentes no organismo, cada uma demanda um cuidado específico. Entenda mais e veja como evitar as complicações graves.

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

Bem-estar

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

As recomendações dos principais órgãos de saúde são claras: é preciso ficar em casa para se proteger do novo coronavírus. A quarentena, no entanto, pode ser muito estressante: afinal, estamos no meio de uma pandemia e longe dos amigos e família. Nesse momento, se promover alguns momentos de autocuidado e relaxamento podem ajudar. Pensando nisso, separamos 5 práticas para você cuidar do seu bem-estar físico e emocional e deixar os seus dias mais leves durante esse período difícil. Confira!

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

Saúde

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

A candidíase é uma doença causada por fungos que, em geral, atinge mais a região genital do corpo. Apesar da infecção poder afetar ambos os sexos, as mulheres são as que mais sofrem com o incômodo. A candidíase causa muito desconforto e pode ser desencadeada por desequilíbrios no sistema imunológico, estresse e uso de roupas muito apertadas. Os sintomas mais comuns são ardência, coceira, inchaço, corrimento, dor ao urinar e durante as relações sexuais. Entenda mais sobre o problema e como aliviar!

Como manter o sono regulado na quarentena?

Bem-estar

Como manter o sono regulado na quarentena?

A má qualidade de sono pode trazer diversos prejuízos para a saúde do corpo e da mente. É durante a noite que o organismo passa por processos metabólicos importantes para o seu funcionamento. Dormir a quantidade de horas recomendadas é fundamental para que o corpo se recupere energeticamente. Durante a quarentena, no entanto, as mudanças de rotina, associadas com o estresse e alimentação, podem desregular o sono e até mesmo contribuir para a insônia. Confira algumas dicas de como combater esse problema e dormir melhor nesse período complicado!

Ver mais