Voltar para home page
Saúde

Cardiopatia infantil: conheça os sintomas, causas e tratamentos

Cardiopatia infantil é causada por problemas de formação de vasos sanguíneos ou no próprio coração

Cardiopatia infantil é causada por problemas de formação de vasos sanguíneos ou no próprio coração

Não é comum falar sobre cardiopatia relacionando com o público infantil, mas elas existem: a cardiopatia infantil é causada por problemas de formação de vasos sanguíneos ou no próprio coração. A maioria delas não pode ser evitada, mas apresenta boas taxas de resolução quando o diagnóstico e tratamento são precoces. Confira a entrevista concedida pelo cirurgião cardiovascular Ivo Richter e conheça as principais informações:

Quais são as cardiopatias mais comuns entre crianças e adolescentes?

As mais comuns entre o público infantojuvenil são as cardiopatias acianóticas. Geralmente, são casos de comunicação interatrial e interventricular ou persistência do canal arterial. Elas ocorrem por uma anomalia no coração durante a gravidez que leva grande quantidade de sangue ao pulmão. Em crianças especiais, com Síndrome de Down, o Defeito do Septo Atrioventricular é o mais comum. Ele gera má formação das válvulas e dos septos cardíacos, podendo desencadear problemas como a hipertensão pulmonar. Em todos esses casos, o ideal é iniciar o tratamento imediatamente após o diagnóstico.

Quais exames são necessários para diagnóstico desses problemas?

O ecocardiograma bidimensional é o principal deles, apesar de estar disponível também na versão tridimensional. Esses exames podem ser torácicos ou transesofágicos, sendo esse último o de melhor resolução. Além desse, também é indicado que o paciente realize eletrocardiograma e radiografia de tórax para melhor avaliação clínica. A angiotomografia do coração e grandes vasos pode fazer parte da complementação diagnóstica.

Existem sintomas específicos que a criança pode manifestar?

Cansaço é o principal. Crianças com pouco tempo de vida podem interromper a amamentação por conta dessa fadiga - e, conforme o crescimento, podem apresentar exaustão no meio de brincadeiras, por exemplo. Jovens podem sofrer com a falta de ar ou cansaço anormal durante as atividades físicas. Outro sintoma comum são as palpitações no tórax. É importante atentar-se ao comportamento de crianças menores, que têm dificuldade em relatar os sintomas. A doença cardíaca sem tratamento adequado pode desencadear infecções pulmonares como pneumonia e bronquiolite.

Essas cardiopatias costumam ter origem genética e hereditária ou surgem por outras questões?

Podem ser hereditárias ou ocorrer a partir de algum processo infeccioso durante a gestação. A rubéola é o mais comum e está associada à persistência do canal arterial. Gestantes com doenças cardíacas podem transmitir o problema ao feto, mas o tema é muito controverso e ainda não há certeza sobre a origem de cardiopatias congênitas.

Quais são os tratamentos disponíveis para essas cardiopatias?

Existem três tipos: medicamentoso, cirúrgico e hemodinâmico. A indicação do tratamento depende do caso, mas a hemodinâmica tem sido bastante utilizada por ser minimamente invasiva. Cirurgias com essa característica também estão crescendo, mas em todos os casos se faz necessária a avaliação médica para definição do melhor procedimento.

Quais são os tratamentos disponíveis para essas cardiopatias?

Existem três tipos: medicamentoso, cirúrgico e por procedimento hemodinâmico. A indicação do tratamento depende do caso, mas a hemodinâmica tem sido amplamente utilizada por ser menos invasiva, mas com riscos de complicação como as cirurgias corretivas. A cirurgia aberta também é uma opção - mas em todos os casos se faz necessária a avaliação médica para definição do melhor procedimento.

Existem métodos de prevenção? Quais?

Alguns problemas podem ser diagnosticados e até tratados ainda no período de gestação, como algumas arritmias cardíacas e hipoplasia de vasos e ventrículos. O que se sugere é o acompanhamento do pré-natal com exames de ecocardiograma fetal sob orientação médica. Nos demais casos, não é possível prevenir o surgimento da cardiopatia, mas o tratamento apresenta bons resultados quando realizado de forma precoce.

Como deve ser o acompanhamento cardiológico em crianças? Existe uma idade mínima ou frequência ideal?

O tratamento profilático não é aplicado a crianças sem sintomas e histórico familiar de cardiopatia. Por outro lado, em crianças já diagnosticadas se faz necessária a avaliação e acompanhamento clínico para definir a melhor terapia. Essa frequência também deve ser definida por um especialista junto aos responsáveis.

Fonte: Dr. Ivo Richter

Últimas novidades

Mês das crianças: veja os cuidados de saúde importantes na primeira e segunda infância

Bem-estar

Mês das crianças: veja os cuidados de saúde importantes na primeira e segunda infância

No mês de outubro é comemorado o Dia das Crianças. Conhecido como um momento para presentear os pequenos e incentivar as brincadeiras, a data também é uma oportunidade para falar sobre saúde. Na primeira e segunda infância (do nascimento até os 6 anos de idade e dos 6 anos até a puberdade, respectivamente), a criança passa por diversos níveis de aprendizado e desenvolvimento.

Outubro rosa: 5 formas de se proteger contra o câncer de mama

Saúde

Outubro rosa: 5 formas de se proteger contra o câncer de mama

Outubro é o mês de conscientização sobre a prevenção do câncer de mama. Causado pela multiplicação desequilibrada das células da mama, dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer) apontam que esse tipo de câncer deve atingir cerca de 66 mil pessoas no Brasil em 2020. O câncer de mama é um dos mais comuns que atinge as mulheres no Brasil e no mundo, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Apesar de raro, o câncer de mama também pode atingir homens.

5 doenças, além da Covid-19, que precisam da sua atenção em 2020

Saúde

5 doenças, além da Covid-19, que precisam da sua atenção em 2020

A pandemia do novo coronavírus impactou a vida das pessoas e sua relação com a própria saúde. Cuidados como o isolamento social, higienização constante das mãos com água e sabão ou álcool em gel e uso de máscara se tornaram a nova rotina para se manter longe da Covid-19. Entretanto, apesar de protegido contra o novo vírus, outras doenças podem ser tão preocupantes quanto e que necessitam de atenção, com uma vantagem: elas podem ser evitadas com os cuidados necessários.

Como incluir as oleaginosas na alimentação?

Alimentação saudável

Como incluir as oleaginosas na alimentação?

Castanhas, nozes, amêndoas, avelãs… o que esses alimentos têm em comum? Além de estarem no grupo das oleaginosas, ele são ricos em diversas substâncias que fazem muito bem para a saúde em geral, como antioxidantes e minerais. As oleaginosas estão associadas à diminuição dos riscos de ter doenças no coração, melhor funcionamento do sistema nervoso e ação anti-inflamatória, dentre outros benefícios comprovados.

Ver mais