Voltar para home page
Bem-estar

Como identificar a gastrite nervosa?

Problemas como ansiedade e estresse podem desencadear a gastrite nervosa

Problemas como ansiedade e estresse podem desencadear a gastrite nervosa

Muitas vezes, a dor de estômago é relacionada apenas com aquele almoço que caiu mal ou uma má digestão por ter comido em excesso. Porém, se essa dor é insistente é possível que seja um caso de gastrite. Essa inflamação no estômago pode vir acompanhada de azia, vômitos e sensação de estar muito cheio. Uma das formas da doença é a gastrite nervosa, que está associada a episódios de muita pressão, transtorno de ansiedade e estresse. Ou seja, tem um fator emocional por trás. É muito importante observar o próprio corpo e o contexto de vida para entender os sinais que o organismo dá de que algo não está bem - além de sempre consultar um médico para o diagnóstico correto, claro.

Gastrite nervosa x gastrite comum: qual é a diferença?

Além do tipo nervosa, a gastrite pode se manifestar de forma crônica, aguda (causada pela bactéria Helicobacter pylori), enantematosa ou eosinofílica. Em todos os casos, é importante identificar as causas para um tratamento adequado. A boa notícia para quem tem gastrite nervosa é que ela é menos grave: isso porque nas outras formas da gastrite ocorrem uma inflamação das mucosas da parede estomacal, o que exige um tratamento mais rigoroso. Além disso, podem evoluir para úlceras ou até mesmo um câncer.

A gastrite nervosa, por sua vez, não é causada por nenhuma inflamação na mucosa - geralmente, não se percebe nenhuma alteração no órgão durante a endoscopia. Quase sempre, a gastrite é advinda de causas emocionais e psicológicas: ansiedade, crises de pânico, medo, estresse forte, situações de muita pressão ou mudanças bruscas de humor.

Quais são os sintomas da gastrite nervosa?

A gastrite nervosa tem sintomas fáceis de identificar: dor de estômago contínua que se apresentam em forma de pontadas, azia (queimação), arrotos frequentes, mal-estar geral e, muitas vezes, dores de cabeça. Outro sintoma muito comum é se sentir saciado muito rápido, como se já estivesse “estufado” ou sentir a barriga inchada e dolorida depois de comer ou não. Em alguns casos, são relatados um desconforto que se assemelha a uma sensação de fome constante.

Muitos estudos indicam que os problemas emocionais afetam diretamente o apetite do paciente, por isso, também é normal sentir pouca ou nenhuma vontade de comer, e isso também é sintomático. Náuseas e vômitos também são comuns nesse caso.

Como tratar a gastrite nervosa?

Ao sentir que algo não vai bem com o seu estômago, o recomendado é procurar um médico gastroenterologista, especialista no sistema digestivo, para verificar as causas e o melhor tratamento. Provavelmente, o médico vai recomendar que você evite alimentos e substâncias que estimulam o mal-estar: frutas ácidas, café, chá pretos, refrigerantes, álcool e pimentas entram na lista, pois são itens que acabam fermentando e atacando a parede do estômago, piorando ou desencadeando mais desconforto. O médico também podem prescrever antiácidos para tomar durante as crises ou para evitá-las.

Depois do diagnóstico de gastrite nervosa, também é importante que você trate a causa das crises estomacais, no caso aquelas influenciadas pelo seu emocional. Busque ajuda psicológica para lidar com esses problemas e, se for o caso, faça mudanças na rotina para uma vida mais equilibrada.

Últimas novidades

Os 10 alimentos mais ricos em fibras e os efeitos no seu organismo

Bem-estar

Os 10 alimentos mais ricos em fibras e os efeitos no seu organismo

Para manter a saúde em dia, é essencial ter cuidado com a alimentação. Uma dieta equilibrada e rica em nutrientes pode prevenir diversas doenças e ajudar a tratar outras. As fibras, por exemplo, não são nutrientes, mas são elementos essenciais para o sistema digestivo e que melhoram a função intestinal, prevenindo diversas doenças. Por isso, é muito importante ter uma alimentação abundante nessa substância. Descubra aqui 10 alimentos ricos em fibras para incluir na sua dieta.

Câncer de pele: tipos mais comuns, sintomas e tratamentos

Saúde

Câncer de pele: tipos mais comuns, sintomas e tratamentos

O câncer de pele é um dos mais frequentes no Brasil. Segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), esse tipo de câncer representa 25% dos tumores malignos identificados no país, o que significa que cerca de 180 mil brasileiros são diagnosticados por ano com a doença. A principal causa desse tipo de câncer é o excesso de exposição solar, que resulta no crescimento descontrolado das células presentes na pele. O câncer de pele é discreto e normalmente se manifesta com pequenas pintas que crescem devagar, que às vezes nem parecem preocupantes. Por isso, é importante ficar atento a qualquer irregularidade na pele. Confira abaixo tudo sobre o câncer de pele!

Infarto do miocárdio: como identificar um ataque cardíaco?

Saúde

Infarto do miocárdio: como identificar um ataque cardíaco?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 17 milhões de pessoas morrem de problemas cardiovasculares, como o infarto do miocárdio, todos os anos no mundo. Em casos de ataque cardíaco, receber os cuidados médicos necessários o quanto antes pode salvar muitas vidas. Por isso, é fundamental ser capaz de identificar um infarto e saber o que fazer de imediato. Veja algumas dicas abaixo!

Quais as causas mais comuns das pedras na vesícula?

Saúde

Quais as causas mais comuns das pedras na vesícula?

As pedras na vesícula são mais comuns do que se imagina e podem aparecer por diferentes razões. A principal função da vesícula é servir de recipiente para a bile, um líquido produzido no tecido hepático que auxilia na digestão dos alimentos e seus nutrientes. Mas o que acontece quando esse órgão é afetado por um desequilíbrio? A bile começa a empedrar - e é aí que surgem os cálculos biliares, popularmente conhecidos como pedras na vesícula. Entenda mais abaixo!

Ver mais