Voltar para home page
Saúde

Depressão pós-parto: o que é, quais os sinais e como tratar?

A depressão pós-parto acomete várias mulheres depois de ter um filho. Saiba mais sobre o problema

A depressão pós-parto acomete várias mulheres depois de ter um filho. Saiba mais sobre o problema

A depressão pós-parto é um transtorno psicológico que geralmente acomete as mães logo após o nascimento do bebê. A tristeza frequente é um dos principais sintomas desse problema, mas é importante saber diferenciá-la da tristeza puerperal, que, ao contrário da depressão pós-parto, é uma condição benigna e que não traz nenhum prejuízo para a saúde da mulher. Então, o que caracteriza esse tipo de transtorno? Que sinais clínicos podem ser observados e qual é a melhor forma de tratamento para a depressão pós-parto? Entenda a seguir!

O que é a depressão pós-parto?

Depois de dar à luz, muitas mulheres se queixam de tristeza e melancolia, principalmente durante as duas primeiras semanas. Isso é totalmente normal, e costuma estar associado ao que chamamos de “baby blues” (ou tristeza puerperal). A fragilidade emocional que atinge as mães após o parto é ocasionada pelas mudanças hormonais do corpo, mas é algo que costuma desaparecer espontaneamente depois de alguns dias e que não tem grande impacto na rotina da família.

Já a depressão pós-parto é um quadro que precisa de atenção, pois pode perdurar por meses e a mãe fica em um estado de vulnerabilidade muito intenso, se sentindo muitas vezes incapacitada para cuidar de seu próprio filho. As causas desse tipo de transtorno são variadas, mas também costumam ter relação com as alterações hormonais que o corpo da mulher sofre durante e depois da gravidez. As quedas do estrogênio e progesterona, por exemplo, são fatores que contribuem com essa situação. Além disso, a falta de uma rede de apoio, o aumento das responsabilidades, a falta de preparo ou o medo de se tornar mãe também podem desencadear uma depressão pós-parto.

Tristeza constante e sentimento de culpa são sintomas da depressão pós-parto

A mulher que sofre com depressão pós-parto se sente completamente perdida e triste. Ela perde qualquer interesse na criação do bebê e até evita ficar perto porque se sente incapaz de cuidar dele (e até de si mesma). É um tipo de depressão que mexe bastante com o psicológico da nova mãe, e que geralmente vem acompanhada de um sentimento de culpa por não conseguir suprir as necessidades do seu filho e não se sentir feliz com o papel materno.

Outros sintomas típicos da depressão pós-parto são o cansaço excessivo, ansiedade, dificuldade de concentração, irritação, crises frequentes de choro, não conseguir comer e perder peso (ou o contrário, que é comer demais e ganhar peso), desinteresse em atividades que antes eram prazerosas e baixa autoestima. Em casos mais graves, também pode acontecer da mulher ficar com medo de ferir a si mesma ou ao seu filho e pensar em tirar a própria vida.

Depressão pós-parto: tratamento requer orientação médica

Mesmo que seja uma situação relativamente comum, poucas mães procuram ajuda médica para tratar a depressão pós-parto, o que é um erro. A avaliação clínica feita por um especialista de saúde é fundamental para se obter o diagnóstico correto da doença e, então, propor o tratamento mais adequado para a situação. Normalmente o uso de medicamentos específicos, como antidepressivos, são indicados por um psiquiatra, mas muitas vezes a psicoterapia também é um método terapêutico que ajuda bastante.

É comum que tanto o psiquiatra quanto o psicólogo trabalhem em conjunto para ajudar a mulher com depressão pós-parto. Além disso, também existe a possibilidade de tratar o quadro com reposição hormonal, mas em qualquer uma dessas alternativas é necessário ter a indicação de um médico especialista, que pode ser desde um ginecologista/obstetra até um endocrinologista ou psiquiatra.

Últimas novidades

Câncer de ovário: causas, como identificar e tratamentos

Saúde

Câncer de ovário: causas, como identificar e tratamentos

O câncer de ovário é difícil de ser diagnosticado, sendo a segunda neoplasia ginecológica mais comum. Esse tipo de câncer é o mais letal entre os cânceres ginecológicos. Mais frequente em mulheres com mais de 40 anos, o câncer de ovário demora a apresentar sintomas, o que resulta no diagnóstico tardio. Estima-se que cerca de 75% dos casos são diagnosticados quando a doença já está avançada.

Como manter a diabetes controlada?

Saúde

Como manter a diabetes controlada?

A diabetes é uma doença metabólica em que o corpo não consegue produzir uma quantidade suficiente de insulina, hormônio responsável pelo controle da glicose no sangue. Com a falta da substância, o paciente diabético sofre com o aumento do nível de glicose na corrente sanguínea, que é o que chamamos de hiperglicemia. Segundo o Ministério da Saúde, estima-se que 9 milhões de pessoas têm diabetes, e infelizmente esse é um número que só cresce a cada ano. Então, o que fazer para manter a diabetes controlada? Separamos algumas dicas que podem ajudar no problema.

Escutar música alta pode comprometer a audição?

Saúde

Escutar música alta pode comprometer a audição?

Ouvir música é um hábito que faz parte da vida de muita gente. Basta ir às ruas e observar a quantidade de pessoas com fones de ouvido imersos em seu próprio universo para se dar conta de como a música está presente em todo lugar. No entanto, é importante ficar atento ao volume e a frequência desse hábito. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), quase 50% das pessoas entre 12 e 35 anos correm o risco de sofrer perda auditiva por causa da exposição prolongada e excessiva a sons muito altos, o que corresponde a 1,1 bilhão da população.

Exercícios físicos na gravidez: qual a importância e os cuidados durante a prática

Exercício físico

Exercícios físicos na gravidez: qual a importância e os cuidados durante a prática

Quando uma mulher está grávida, surgem muitas dúvidas sobre a realização de atividades físicas durante a gestação e como isso deve ser feito sem prejudicar a saúde da nova mamãe ou do bebê que está a caminho. É importante conversar com o obstetra antes de dar início a essa rotina, mas geralmente os exercícios físicos são bastante benéficos para o desenvolvimento da gestação. Para entender melhor quais são os benefícios dessa prática, quais são os exercícios físicos mais indicados para mulheres grávidas e que cuidados são necessários, o Cuidados Mil preparou uma matéria com tudo que você precisa saber sobre o assunto.

Ver mais