Voltar para home page
Saúde

Doenças respiratórias: quais são as mais comuns durante o inverno? [Infográfico]

A chegada do inverno é um alerta para as doenças respiratórias. Com as baixas temperaturas e a queda da umidade relativa do ar, a população fica mais exposta a diferentes vírus e bactérias, que geralmente se proliferam em lugares fechados e com pouca circulação de ar. Crianças, idosos e gestantes, que fazem parte dos grupos de risco, precisam ficar mais atentos ainda aos sintomas mais comuns: tosse, coriza, febre alta, dores de cabeça e no corpo. Confira o infográfico do Cuidados Mil e conheça as doenças respiratórias mais comuns que aparecem no inverno!

Veja as doenças mais comuns nos meses mais frios do ano

Veja as doenças mais comuns nos meses mais frios do ano

#1 Gripe

A gripe é uma infecção causada pelo vírus Influenza, que se manifesta de três formas diferentes: tipos A, B e C. Todos eles são transmitidos por partículas que são liberadas no ar por tosse e espirros, mas o tipo C costuma ser mais brando, enquanto o influenza tipo A é o mais perigoso. Os sintomas da gripe incluem febre alta, congestão nasal, dores musculares, coriza e tosse. Em alguns casos, a pessoa também pode ter calafrios e sentir fadiga. A melhor forma de prevenção da gripe é a vacinação. Os grupos de risco são crianças, gestantes, idosos, povos indígenas, agentes de saúde, detentos, entre outros. Portadores de algumas doenças crônicas - como asma, insuficiência cardíaca, diabetes, obesidade grave, entre outras - também podem apresentar maior risco de complicações.

#2 Asma

Uma das doenças respiratórias mais comuns, a asma é uma inflamação que ocorre quando os músculos que envolvem as vias aéreas ficam inchados e, por isso, mais estreitos. As principais características da doença são a dificuldade para respirar, dor ou pressão no peito e chiado nos pulmões. Esses sintomas costumam piorar à noite e pela manhã. Segundo o Ministério da Saúde, diversos fatores genéticos e ambientais podem agravar o quadro. Ou seja, a causa pode estar ligada ao histórico familiar de asma, rinite ou obesidade. Já nos aspectos ambientais, desde variações climáticas até a exposição à poeira, ácaros, fungos e baratas podem piorar a infecção.

O pulmão de uma pessoa com asma é mais sensível e o paciente precisa ter cuidados redobrados com a saúde. A Asma é uma doença crônica e, embora não tenha cura, pode ser controlada com o uso de medicações profiláticas e tratamento adequado das crises, conforme orientação do seu médico.

#3 Sinusite

A sinusite ocorre quando as cavidades ao redor das vias nasais ficam inflamadas. Caracterizada por dor de cabeça, secreção nasal e dores faciais - geralmente no nariz, ouvidos, testa, atrás dos olhos e seios paranasais -, a doença pode aparecer de duas formas: aguda ou crônica. A primeira costuma ser desencadeada por resfriados e alergias, enquanto a segunda pode durar até oito semanas e é causada por infecções mais graves. O ideal é buscar atendimento médico se os sintomas persistirem por muito tempo. O diagnóstico de Sinusite é clínico e em poucas situações necessita de exame complementar, como Radiografia ou Tomografia (indicada principalmente quando há suspeita de complicações).

#4 Rinite

Reação alérgica muito comum em pessoas de diferentes idades, a rinite é uma irritação na mucosa do nariz que geralmente vem acompanhada de sintomas como espirros, congestão nasal, coceira no nariz e olhos lacrimejantes. Microorganismos como o ácaro da poeira e fungos são importantes desencadeadores da rinite alérgica, mas a condição também pode surgir depois de mudanças abruptas de clima e inalação de fortes odores - como fumaça de cigarro e produtos de limpeza. A predisposição genética da pessoa, além de ter outras doenças respiratórias, também são fatores de risco. Se os sintomas permanecerem por mais de 10 dias, o ideal é agendar uma consulta médica para avaliação.

#5 Bronquite aguda

Causada por infecções virais e alergias, a bronquite aguda é uma inflamação na mucosa dos brônquios, tubos que transportam o ar para os pulmões. Os sintomas da doença incluem tosse com muco, chiado no peito e falta de ar. Geralmente, a bronquite é causada por algum vírus e vem acompanhada de outras infecções respiratórias, como resfriados e gripes. Se não cuidada desde o início, pode se espalhar para os pulmões. Em outros casos, a pessoa também pode adquirir, além do vírus, uma infecção bacteriana. Já a bronquite crônica faz parte da DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), que geralmente se manifesta na terceira idade em decorrência de anos de tabagismo ou exposição a poluição severa.

#6 Pneumonia

A pneumonia é uma infecção que se instala nos pulmões e pode atingir os alvéolos pulmonares, sacos de ar localizados no órgão. A doença costuma ser provocada por reações alérgicas ou pela inalação de microorganismos (bactérias, fungos e vírus). Os principais sintomas são febre (que pode ser mais alta), dores no tórax, tosse, calafrios e respiração rápida ou com dificuldade. Em alguns casos, de acordo com o Ministério da Saúde, pode haver confusão mental e mal-estar generalizado, que podem ser indicativos de maior gravidade. Diferente da gripe, que é altamente infecciosa, a pneumonia não costuma ser contagiosa e transmissível. No entanto, a doença pode se agravar rapidamente e precisa começar a ser tratada o mais precoce possível.

Últimas novidades

Hepatite virais: quais são as causas, sintomas e tratamentos?

Saúde

Hepatite virais: quais são as causas, sintomas e tratamentos?

As hepatites virais afetam mais de 400 milhões de pessoas todos os anos no mundo inteiro, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde. Considerado um grave problema de saúde pública, os tipos mais comuns da doença no Brasil são as hepatites A, B e C. A infecção atinge o fígado e pode não apresentar sintomas, possibilitando o diagnóstico apenas em graus mais avançados da doença.

Nutrientes e saúde mental: saiba como a deficiência de vitaminas e minerais pode afetar o psicológico

Saúde

Nutrientes e saúde mental: saiba como a deficiência de vitaminas e minerais pode afetar o psicológico

Todo mundo sabe o impacto que uma dieta rica e nutritiva exerce na prevenção doenças cardíacas e endócrinas, mas você costuma associar a saúde mental com a sua alimentação? A maioria das pessoas não. Estresse, cansaço mental e ansiedade são transtornos muito comuns. No caso da depressão, o Brasil é considerado o país da América Latina com mais casos: segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 5,8% dos brasileiros sofrem com o problema - no mundo todo, são 322 milhões de pessoas.

Como desacelerar antes de dormir? Veja os benefícios dessa prática na qualidade do seu sono!

Bem-estar

Como desacelerar antes de dormir? Veja os benefícios dessa prática na qualidade do seu sono!

Um dia cheio de tarefas, estresse ou ansiedade pode impactar diretamente o seu sono. Insônia e noites mal dormidas são uma resposta natural do nosso corpo a essas situações. Além de ter o humor e produtividade prejudicados no dia seguinte, qualquer alteração no período destinado ao descanso pode se refletir na saúde: é na hora de dormir que o nosso corpo repõe energia, fortalece o sistema imunológico, libera hormônios e estabiliza a memória.

Como a amamentação interfere a saúde das crianças?

Saúde

Como a amamentação interfere a saúde das crianças?

A amamentação é uma maneira eficaz, segura e acessível para criar vínculos de afeto e proporcionar todas as necessidades nutricionais que um bebê precisa para se desenvolver bem. O leite materno é a melhor estratégia para reduzir a mortalidade infantil e também tem implicações benéficas na saúde emocional da mãe. É por isso que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno exclusivo até os seis meses e complementado até dois anos de idade.

Ver mais