Voltar para home page
Saúde

Escutar música alta pode comprometer a audição?

O volume da música influencia no desenvolvimento de problemas auditivos

O volume da música influencia no desenvolvimento de problemas auditivos

Ouvir música é um hábito que faz parte da vida de muita gente. Basta ir às ruas e observar a quantidade de pessoas com fones de ouvido imersos em seu próprio universo para se dar conta de como a música está presente em todo lugar. No entanto, é importante ficar atento ao volume e a frequência desse hábito. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), quase 50% das pessoas entre 12 e 35 anos correm o risco de sofrer perda auditiva por causa da exposição prolongada e excessiva a sons muito altos, o que corresponde a 1,1 bilhão da população.

Quais são os riscos de escutar música alta?

A exposição a diversos tipos de ruídos e barulhos do dia a dia geralmente não são suficientes para causar problemas auditivos, mas quando uma pessoa é acostumada a escutar música alta com frequência e por um período de tempo prolongado, os riscos começam a aparecer. A explicação para isso é bastante simples: o nível de ruído recomendável para a audição é de até 50 decibéis (dB), mas quando ouvimos música com um volume exagerado - seja com um fone de ouvido ou não -, a intensidade sonora é muito superior a isso, podendo chegar a mais de 100 dB, dependendo do aparelho. De uma maneira geral, o ouvido humano é capaz de tolerar intensidades sonoras de até 85 dB por dia, em um intervalo de até 8 horas, sem gerar grandes danos à audição.

O uso de fones de ouvido contribui para a piora da audição

A maioria das pessoas utiliza os fones de ouvido para ouvir música, mas é importante ter muita atenção ao volume do aparelho para não comprometer a função auditiva a longo prazo. Esses acessórios de fato oferecem maior praticidade ao usuário, mas conforme o Conselho Federal de Fonoaudiologia (CFFa) alerta, o uso frequente de fones de ouvido para escutar música alta contribui para o desenvolvimento de problemas de audição.

Diferente dos músicos, que utilizam os fones com protetores auditivos, os jovens não têm esse mesmo cuidado. Na verdade, eles gostam mesmo é de aumentar o volume para fugir de qualquer contato com o mundo externo, o que pode ser bastante prejudicial. Mas se um simples rádio é capaz de atingir 85 dB e já pode causar estrago na audição de uma pessoa com o decorrer do tempo, quando esse som é tocado diretamente no canal auditivo por meio dos fones, o efeito é ainda mais intenso.

Alguns cuidados são necessários para prevenir a perda auditiva

De acordo com a OMS, mais de 5% da população mundial têm algum tipo de deficiência auditiva - cerca de 432 milhões de adultos e 34 milhões de crianças. Isso causa um impacto enorme na qualidade de vida dos pacientes, e por isso é importante buscar formas de prevenir esse tipo de problema.

Para o alívio de muitos, não é necessário abandonar os fones de ouvido, mas é importante monitorar o volume das músicas e limitar o uso desses dispositivos, evitando a frequência exagerada. Além disso, dormir com a música ligada é algo que está fora de cogitação. Procure usufruir melhor dos momentos de silêncio, e não esqueça de procurar a ajuda de um profissional caso haja qualquer suspeita de perda auditiva. Essa é a melhor forma de não deixar que o problema evolua e cause ainda mais danos ao aparelho auditivo.

Últimas novidades

Câncer de ovário: causas, como identificar e tratamentos

Saúde

Câncer de ovário: causas, como identificar e tratamentos

O câncer de ovário é difícil de ser diagnosticado, sendo a segunda neoplasia ginecológica mais comum. Esse tipo de câncer é o mais letal entre os cânceres ginecológicos. Mais frequente em mulheres com mais de 40 anos, o câncer de ovário demora a apresentar sintomas, o que resulta no diagnóstico tardio. Estima-se que cerca de 75% dos casos são diagnosticados quando a doença já está avançada.

Como manter a diabetes controlada?

Saúde

Como manter a diabetes controlada?

A diabetes é uma doença metabólica em que o corpo não consegue produzir uma quantidade suficiente de insulina, hormônio responsável pelo controle da glicose no sangue. Com a falta da substância, o paciente diabético sofre com o aumento do nível de glicose na corrente sanguínea, que é o que chamamos de hiperglicemia. Segundo o Ministério da Saúde, estima-se que 9 milhões de pessoas têm diabetes, e infelizmente esse é um número que só cresce a cada ano. Então, o que fazer para manter a diabetes controlada? Separamos algumas dicas que podem ajudar no problema.

Exercícios físicos na gravidez: qual a importância e os cuidados durante a prática

Exercício físico

Exercícios físicos na gravidez: qual a importância e os cuidados durante a prática

Quando uma mulher está grávida, surgem muitas dúvidas sobre a realização de atividades físicas durante a gestação e como isso deve ser feito sem prejudicar a saúde da nova mamãe ou do bebê que está a caminho. É importante conversar com o obstetra antes de dar início a essa rotina, mas geralmente os exercícios físicos são bastante benéficos para o desenvolvimento da gestação. Para entender melhor quais são os benefícios dessa prática, quais são os exercícios físicos mais indicados para mulheres grávidas e que cuidados são necessários, o Cuidados Mil preparou uma matéria com tudo que você precisa saber sobre o assunto.

Saúde ocular: qual a diferença da miopia para o astigmatismo?

Saúde

Saúde ocular: qual a diferença da miopia para o astigmatismo?

Os distúrbios oculares são problemas bem comuns, não à toa que é praticamente impossível não conhecer pelo menos uma pessoa que precise usar óculos de grau ou lentes de contato para conseguir enxergar bem. Dentre os problemas de visão mais comuns, podemos destacar a miopia e o astigmatismo, que podem ocorrer isoladamente ou em conjunto. Muitas pessoas ainda têm dúvidas e confundem os dois distúrbios, mesmo que eles sejam distintos. Veja a seguir quais são as diferenças entre miopia e astigmatismo para não errar mais!

Ver mais