Voltar para home page
Saúde

Exames de imagem: radiografia, mamografia... Conheça os principais tipos e as diferenças entre eles

Existem diferentes tipos de exames de imagem para amplos diagnósticos

Existem diferentes tipos de exames de imagem para amplos diagnósticos

Sem sombra de dúvidas, os exames de imagem são os que mais avançam em tecnologia e modernidade. São diversas as modalidades de diagnósticos, cada um com as suas características, benefícios e desvantagens. Existem aqueles que utilizam raio-X, aqueles que não contam com nenhuma radiação e vários outros. Para esclarecer os diferentes tipos, o Cuidados Mil separou os principais. Confira!

Radiografia convencional

Um dos exames mais utilizados para diagnósticos médicos e odontológicos, a radiografia é usada para examinar principalmente estruturas ósseas, tórax e abdômen. As principais vantagens deste exame são o baixo custo do equipamento, podendo ser adquirido até pelos menores centros de saúde, a sua rapidez para obter imagens e a possibilidade de uma versão portátil.

Existem dois tipos radiografia: a convencional e a contratada. Na primeira, o procedimento é feito em equipamentos portáteis e fixos de grande potência e, por isso, não é recomendado para gestantes até o terceiro mês de gravidez. Já na segunda, o exame tem a finalidade de detalhar os tecidos e o contorno articular, sendo feito depois da injeção de substâncias radiopacas ou ar dentro da cavidade examinada.

Mamografia

Considerada a melhor técnica para o diagnóstico de câncer de mama, a mamografia é uma radiografia em que a imagem produzida ajuda a identificar alterações, como pequenos nódulos, muitas vezes não-palpáveis. A técnica para a obtenção de imagem é feita por emissão de raios-X, mas, por conter um elemento químico chamado molibdênio, se difere da radiografia convencional. Aliás, é esse elemento que permite a formação de imagens com um contraste melhor, para diferenciar a mama dos tecidos próximos à região.

Densitometria óssea

Esse processo permite fazer exames de corpo inteiro, diagnosticando e monitorando as alterações ósseas em relação ao volume e a densidade. A densitometria óssea é usada para identificar se existe ou não redução da massa óssea, verificando se há perda e o quanto foi perdido. É uma avaliação computadorizada dos dados, que aponta o risco do paciente evoluir para alterações ósseas graves.

Tomografia computadorizada

Através de imagens reconstruídas pelo computador, a tomografia pode diagnosticar distúrbios musculares, como um coágulo sanguíneo, detectar e monitorar doenças e condições como câncer, orientar em cirurgias, biópsias e radioterapia, entre outros. O exame de tomografia é feito por um técnico de radiologia e depois analisado por um médico. A duração do exame pode variar de acordo com a área examinada, a idade do paciente, a capacidade de se manter imóvel durante o exame e o equipamento utilizado, mas o tempo varia entre 30 e 50 minutos.

Ressonância magnética

A RM é um exame relativamente novo, que permite ao médico radiologista examinar e diagnosticar doenças em diferentes partes do corpo humano. É uma modalidade que não faz uso da radiação ionizante, e sim, de uma radiofrequência em conjunto com o magnetismo. Por permitir imagens de qualquer parte do corpo, a ressonância pode detectar casos de aneurismas, derrames, tumores, tendinite, doenças cardíacas, malformações, entre outras. Na hora do exame, o paciente não pode estar usando objetos de metais, como relógios, brincos e colares. Se a pessoa tiver marca-passo, pinos ósseos ou implantes com metais, o médico responsável e o técnico que fará o exame devem ser avisados.

Ultrassonografia

A ultrassonografia é um método de diagnóstico que permite visualizar as estruturas internas do organismo. Através de ondas sonoras de alta frequência, possibilita um diagnóstico preciso mas sem riscos à saúde do paciente. Sendo um dos exames de imagem mais usados, ela ajuda a identificar doenças no útero, trompas, ovários e outros órgãos, visualizar as estruturas dos músculos, articulações e tendões, entre outras.

Últimas novidades

Hepatite virais: quais são as causas, sintomas e tratamentos?

Saúde

Hepatite virais: quais são as causas, sintomas e tratamentos?

As hepatites virais afetam mais de 400 milhões de pessoas todos os anos no mundo inteiro, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde. Considerado um grave problema de saúde pública, os tipos mais comuns da doença no Brasil são as hepatites A, B e C. A infecção atinge o fígado e pode não apresentar sintomas, possibilitando o diagnóstico apenas em graus mais avançados da doença.

Nutrientes e saúde mental: saiba como a deficiência de vitaminas e minerais pode afetar o psicológico

Saúde

Nutrientes e saúde mental: saiba como a deficiência de vitaminas e minerais pode afetar o psicológico

Todo mundo sabe o impacto que uma dieta rica e nutritiva exerce na prevenção doenças cardíacas e endócrinas, mas você costuma associar a saúde mental com a sua alimentação? A maioria das pessoas não. Estresse, cansaço mental e ansiedade são transtornos muito comuns. No caso da depressão, o Brasil é considerado o país da América Latina com mais casos: segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 5,8% dos brasileiros sofrem com o problema - no mundo todo, são 322 milhões de pessoas.

Como desacelerar antes de dormir? Veja os benefícios dessa prática na qualidade do seu sono!

Bem-estar

Como desacelerar antes de dormir? Veja os benefícios dessa prática na qualidade do seu sono!

Um dia cheio de tarefas, estresse ou ansiedade pode impactar diretamente o seu sono. Insônia e noites mal dormidas são uma resposta natural do nosso corpo a essas situações. Além de ter o humor e produtividade prejudicados no dia seguinte, qualquer alteração no período destinado ao descanso pode se refletir na saúde: é na hora de dormir que o nosso corpo repõe energia, fortalece o sistema imunológico, libera hormônios e estabiliza a memória.

Como a amamentação interfere a saúde das crianças?

Saúde

Como a amamentação interfere a saúde das crianças?

A amamentação é uma maneira eficaz, segura e acessível para criar vínculos de afeto e proporcionar todas as necessidades nutricionais que um bebê precisa para se desenvolver bem. O leite materno é a melhor estratégia para reduzir a mortalidade infantil e também tem implicações benéficas na saúde emocional da mãe. É por isso que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno exclusivo até os seis meses e complementado até dois anos de idade.

Ver mais