Voltar para home page
Saúde

Herpes labial: descubra o que é e como buscar tratamento

A herpes labial não tem cura, mas pode ser controlada ao manter a imunidade regulada

A herpes labial não tem cura, mas pode ser controlada ao manter a imunidade regulada

A herpes labial é causada pelo vírus HSV (Herpes Simplex Virus) e se divide em dois tipos, o HSV-1, que geralmente fica alocado na cavidade bucal, e o HSV-2, que atinge os genitais. Ambos são extremamente contagiosos, mas o primeiro é o mais comum. Para se ter uma ideia, a Organização Mundial da Saúde estima que 67% da população está infectada por ele.

Mas nem todo mundo que tem o vírus sabe que é portador da doença. Isso acontece porque ele pode ser assintomático por muitos anos e só aparecer em momentos de estresse ou baixa imunidade. Por não ter cura, a melhor forma de lidar com o problema é investir na saúde geral. E isso inclui uma correta higiene bucal, com escovação três vezes ao dia, uso de fio dental e enxaguantes, alimentação regrada e boas noites de sono.

Quando a imunidade está alta, o organismo consegue lidar sozinho com a doença e evitar que ela se manifeste ou até seja transmitida para outras pessoas. Entenda abaixo como a doença se manifesta e o que fazer para prevenir o problema!

Como identificar os sinais da herpes labial e evitar a transmissão?

O sintoma mais comum de herpes labial é a sensação de ardência e coceira na região da boca. Se não for tratado imediatamente, esse desconforto evolui para a formação de bolhas, que podem estourar e causar feridas.

Esse período sintomático é o mais perigoso, já que é durante esses dias que a transmissão ocorre. Por isso, o ideal é não só procurar tratamento como também evitar compartilhar talheres, batom, copos ou qualquer objeto que tenha contato com a saliva do infectado. Além disso, outros cuidados são essenciais, como:

  • Evitar o contato próximo com outras pessoas;
  • Lavar muito bem as mãos após tocar a boca;
  • Investir na higiene do local afetado para evitar a entrada de bactérias ou outros micro-organismos.

Herpes labial: tratamento pode ser recomendado por dermatologistas e dentistas

Como não há cura para a herpes labial e o tratamento acontece sempre que há uma nova crise sintomática. Nessa hora, tanto o dermatologista quanto o dentista podem ajudar. Eles são capazes de diagnosticar a doença e receitar os remédios necessários para interromper o processo de infecção.

No início dos sintomas, alguns cuidados caseiros podem ser o suficiente, como aplicar gelo na região e manter os lábios hidratados com manteiga de cacau. Caso isso não seja suficiente, um anestésico ou antiviral tópico previamente receitado por um especialista ajudam. Em casos mais graves, aí sim se torna necessário o uso de remédios via oral.

Últimas novidades

Mês das crianças: veja os cuidados de saúde importantes na primeira e segunda infância

Bem-estar

Mês das crianças: veja os cuidados de saúde importantes na primeira e segunda infância

No mês de outubro é comemorado o Dia das Crianças. Conhecido como um momento para presentear os pequenos e incentivar as brincadeiras, a data também é uma oportunidade para falar sobre saúde. Na primeira e segunda infância (do nascimento até os 6 anos de idade e dos 6 anos até a puberdade, respectivamente), a criança passa por diversos níveis de aprendizado e desenvolvimento.

Outubro rosa: 5 formas de se proteger contra o câncer de mama

Saúde

Outubro rosa: 5 formas de se proteger contra o câncer de mama

Outubro é o mês de conscientização sobre a prevenção do câncer de mama. Causado pela multiplicação desequilibrada das células da mama, dados do Inca (Instituto Nacional do Câncer) apontam que esse tipo de câncer deve atingir cerca de 66 mil pessoas no Brasil em 2020. O câncer de mama é um dos mais comuns que atinge as mulheres no Brasil e no mundo, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Apesar de raro, o câncer de mama também pode atingir homens.

5 doenças, além da Covid-19, que precisam da sua atenção em 2020

Saúde

5 doenças, além da Covid-19, que precisam da sua atenção em 2020

A pandemia do novo coronavírus impactou a vida das pessoas e sua relação com a própria saúde. Cuidados como o isolamento social, higienização constante das mãos com água e sabão ou álcool em gel e uso de máscara se tornaram a nova rotina para se manter longe da Covid-19. Entretanto, apesar de protegido contra o novo vírus, outras doenças podem ser tão preocupantes quanto e que necessitam de atenção, com uma vantagem: elas podem ser evitadas com os cuidados necessários.

Como incluir as oleaginosas na alimentação?

Alimentação saudável

Como incluir as oleaginosas na alimentação?

Castanhas, nozes, amêndoas, avelãs… o que esses alimentos têm em comum? Além de estarem no grupo das oleaginosas, ele são ricos em diversas substâncias que fazem muito bem para a saúde em geral, como antioxidantes e minerais. As oleaginosas estão associadas à diminuição dos riscos de ter doenças no coração, melhor funcionamento do sistema nervoso e ação anti-inflamatória, dentre outros benefícios comprovados.

Ver mais