Voltar para home page
Saúde

Herpes Simples: entenda mais sobre a infecção e como se proteger

Entenda mais sobre a herpe simples e como ela se desenvolve!

Entenda mais sobre a herpe simples e como ela se desenvolve!

Todo mundo já ouviu falar sobre a Herpes pelo menos uma vez na vida, mas a transmissão, tipos e desenvolvimento da doença ainda geram muitas dúvidas. Antes de tudo, a Herpes pode se apresentar de duas formas, variando de acordo com o vírus transmissor: o Varicela-Zóster (VVZ), que é o mesmo que causa a catapora e também é chamado Herpes Zóster ou cobreiro; e o herpesvírus (tipo 1 e 2), causadores da herpes simplex. É justamente da forma mais simples que vamos falar.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), pelo menos 99% da população adulta já teve contato com a infecção na infância ou adolescência, muitas vezes sem apresentar sintomas ou apenas com uma ocorrência. A partir disso, é possível desenvolver imunidade contra o vírus da herpes simplex, criando resistência pelo resto da vida.

Como é o desenvolvimento da herpes simples?

A principal característica da herpes simples é o surgimento pequenas bolhas agrupadas nos lábios e genitais (que também podem atingir outros locais da pele). De acordo com o Ministério da Saúde, uma vez ativado, o vírus se desenvolve em algumas etapas:

  • A herpes começa com um formigamento, ardência ou leve coceira no local em que as bolhas vão surgir;
  • As pequenas bolhas aparecem em seguida de forma mais agrupada. A região também fica mais avermelhada e pode ter inchaço;
  • Em seguida, as bolhas se rompem. Nessa fase, é liberado um líquido com alta concentração do vírus e se forma uma ferida no local. Segundo o Ministério da Saúde, esse é o período em que há mais risco de transmissão;
  • Por último, a ferida começa a secar e entra no processo de cicatrização.

Como ocorre a transmissão do vírus?

A herpes, normalmente, dura de 5 a 10 dias. Segundo a SBD, o herpesvírus tipo 1 geralmente acomete os lábios e parte interna da boca, já o tipo 2 causa as feridas nos genitais - a infecção pode ser via sexual ou não e vem acompanhada de ardência ao urinar. A contaminação ocorre com o contato direto com a pele ou mucosas de pessoas infectadas. Um fato curioso é que o vírus da herpes pode permanecer no organismo, de forma inativa, por um longo tempo até ser reativado.

De acordo com o Ministério da Saúde, alguns fatores podem provocar a reativação do vírus, como exposição solar por muito tempo, estresse, fadiga física e mental, menstruação, febre e até outras infecções que podem afetar a as defesas do organismo. Se o quadro de herpes ocorrer com frequência, é importante avaliar alguma forma de aumentar a imunidade.

Tratamento e prevenção da herpes simples

Ao perceber qualquer sintoma da doença, o ideal é buscar um médico dermatologista para avaliar a intensidade da infecção e indicar o melhor tratamento, que pode ser com medicamentos ou pomadas. Durante o tratamento, evite manipular ou furar as bolhas. Para prevenir a herpes, você pode tomar alguns cuidados com a higiene e hábitos diários:

  • Usar preservativo nas relações sexuais;
  • Evitar beijar ou falar perto de pessoas infectadas;
  • Não usar objetos ou roupas íntimas de outra pessoa;
  • Manter as mãos sempre limpas e evitar tocar feridas (suas ou de outras pessoas);
  • Usar protetor solar e labial durante a exposição solar;
  • Manter uma alimentação equilibrada e nutritiva.

Fontes: Ministério da Saúde e Sociedade Brasileira de Dermatologia

Últimas novidades

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Saúde

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Diabetes é uma das doenças mais comuns e que mais matam no mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), existem mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença no Brasil e os números não param de crescer. Em muitos casos, uma pessoa pode ser diabética sem saber. A diabetes pode se manifestar nos tipos I e II: com ações diferentes no organismo, cada uma demanda um cuidado específico. Entenda mais e veja como evitar as complicações graves.

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

Bem-estar

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

As recomendações dos principais órgãos de saúde são claras: é preciso ficar em casa para se proteger do novo coronavírus. A quarentena, no entanto, pode ser muito estressante: afinal, estamos no meio de uma pandemia e longe dos amigos e família. Nesse momento, se promover alguns momentos de autocuidado e relaxamento podem ajudar. Pensando nisso, separamos 5 práticas para você cuidar do seu bem-estar físico e emocional e deixar os seus dias mais leves durante esse período difícil. Confira!

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

Saúde

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

A candidíase é uma doença causada por fungos que, em geral, atinge mais a região genital do corpo. Apesar da infecção poder afetar ambos os sexos, as mulheres são as que mais sofrem com o incômodo. A candidíase causa muito desconforto e pode ser desencadeada por desequilíbrios no sistema imunológico, estresse e uso de roupas muito apertadas. Os sintomas mais comuns são ardência, coceira, inchaço, corrimento, dor ao urinar e durante as relações sexuais. Entenda mais sobre o problema e como aliviar!

Como manter o sono regulado na quarentena?

Bem-estar

Como manter o sono regulado na quarentena?

A má qualidade de sono pode trazer diversos prejuízos para a saúde do corpo e da mente. É durante a noite que o organismo passa por processos metabólicos importantes para o seu funcionamento. Dormir a quantidade de horas recomendadas é fundamental para que o corpo se recupere energeticamente. Durante a quarentena, no entanto, as mudanças de rotina, associadas com o estresse e alimentação, podem desregular o sono e até mesmo contribuir para a insônia. Confira algumas dicas de como combater esse problema e dormir melhor nesse período complicado!

Ver mais