Voltar para home page
Saúde

Lúpus: o que é, sintomas e tratamentos da doença autoimune

O lúpus ocorre devido a uma produção excessiva dos anticorpos contra as próprias células do corpo. Conheça mais sobre a doença!

O lúpus ocorre devido a uma produção excessiva dos anticorpos contra as próprias células do corpo. Conheça mais sobre a doença!

O Lúpus Eritematoso Sistêmico, popularmente conhecido como lúpus, ocorre devido a uma produção excessiva dos anticorpos contra as próprias células do corpo ou contra as proteínas já existentes, causando danos em tecidos e órgãos. A doença autoimune, que atinge cerca de 65 mil pessoas no Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia, é mais frequente nas mulheres do que em homens. Mas, o que pouca gente sabe é que os sintomas do lúpus podem se manifestar a qualquer momento e, por isso, o tratamento deve ser feito durante toda a vida. Confira abaixo os principais sintomas e o tratamentos para a doença!

Quais são os tipos de lúpus?

Para entender melhor como o lúpus afeta cada indivíduo, é fundamental saber que a doença pode se manifestar de quatro formas diferentes:

  • Lúpus Discoide: ocorre quando a inflamação é limitada à pele. Este tipo da doença pode ser identificada depois do surgimento de lesões avermelhadas que costumam aparecer no rosto, nuca e couro cabeludo;
  • Lúpus Sistêmico: considerado o tipo mais comum da doença, o lúpus sistêmico acomete todo o organismo da pessoa, podendo comprometer diferentes órgãos e sistemas. Além disso, os casos de lúpus discoide podem, eventualmente, evoluir para este tipo da doença;
  • Lúpus induzido por drogas: neste caso, a doença é provocada por substâncias de algumas drogas ou medicamentos, gerando sintomas semelhantes ao lúpus sistêmico. Porém, especialmente nesta situação, a doença tende a desaparecer assim que o uso da substância terminar;
  • Lúpus neonatal: extremamente raro, este tipo de lúpus costuma afetar filhos recém-nascidos de mulheres que possuem a doença. É comum que, ao nascer, a criança tenha erupções na pele, problemas no fígado ou baixa contagem de células sanguíneas. Entretanto, após alguns meses, os sintomas tendem a desaparecer naturalmente.

Os sintomas mais comuns no lúpus

As manchas vermelhas que começam no rosto e se espalham pelo corpo é o sintoma mais conhecido do lúpus, mas a doença também costuma vir acompanhada de outros sintomas. Moderados ou graves, temporários ou permanentes, eles aparecem em crises, nas quais os sintomas se agravam por um tempo e depois desaparecem. Além disso, os sinais podem variar de acordo com as partes afetadas. Dessa forma, os sintomas mais comuns da doença são:

  • Dor nas articulações;
  • Lesões na pele que aparecem ou pioram com a exposição solar;
  • Dificuldade para respirar;
  • Febre;
  • Fadiga;
  • Linfonodos aumentados;
  • Queda de cabelo;
  • Feridas na região da boca;
  • Rash cutâneo - vermelhidão no rosto em forma de borboleta sobre as bochechas e a ponta do nariz.

Tratamento para lúpus pode variar de acordo com as manifestações da doença

Assim como acontece com outras doenças crônicas, como câncer e diabetes, o tratamento do lúpus têm o objetivo de controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida da pessoa, já que a doença não possui cura. Por possuir diferentes tipos, o tratamento do lúpus é feito de acordo com os níveis de intensidade e agressividade da doença.

Nos casos mais leves, o processo pode ser feito com anti-inflamatórios não esteróides para artrite e pleurisia e corticoides de baixa dosagem para as pequenas lesões na pele. Já para os casos mais graves ou que o indivíduo corra risco de vida, é necessário administrar altas dosagem de corticoides ou medicamentos para diminuir a resposta do sistema imunológico.

Fontes: Ministério da Saúde e Sociedade Brasileira de Reumatologia

Últimas novidades

Como funciona a vacina contra HPV?

Saúde

Como funciona a vacina contra HPV?

A vacina contra HPV (Papilomavírus Humano) é uma das formas mais eficazes de prevenir a infecção, que pode ter vários tipos e níveis de gravidade. A transmissão ocorre pelo contato sexual ou de mãe para filho e pode atingir pele e mucosas. Além disso, algumas versões do vírus são agentes causadores de diversos cânceres, incluindo o do colo de útero - que, segundo a Organização Mundial da Saúde, afeta cerca de 290 milhões de mulheres no mundo inteiro. A vacina tem uma ação preventiva contra os tipos mais comuns da infecção e pode ser administrada ainda na adolescência.

Acidente Vascular Cerebral: o que é, causas e como prevenir

Emergência

Acidente Vascular Cerebral: o que é, causas e como prevenir

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma dos problemas mais comuns no mundo inteiro. Também conhecido com derrame cerebral, ele acontece por causas variadas e pode levar à morte - ou provocar consequências graves que afetam toda a vida do paciente. A junção de alguns sintomas ajudam a identificar o problema, que precisa de um atendimento médico imediato. O AVC ainda é cercado de mitos e dúvidas, mas uma coisa é certa: o problema pode ser evitado com atitudes simples no dia a dia.

4 benefícios cientificamente comprovados da meditação

Terapias

4 benefícios cientificamente comprovados da meditação

A meditação é um método milenar associado à saúde e ao bem-estar físico e mental. Não se sabe ao certo quando ou onde surgiu, já que a prática acompanha a humanidade desde os seus primórdios, mas uma coisa é certa: a meditação tem ganhado mais popularidade e, inclusive, é indicada no tratamento de diversos transtornos. O método pode ser resumido como um treinamento da mente para esvaziar ou redirecionar os pensamentos. Na prática, é muito mais do que isso e a ciência pode comprovar. Veja abaixo 4 benefícios da meditação com respaldo científico!

Vegetarianismo: o que você precisa considerar antes de fazer a transição?

Alimentação saudável

Vegetarianismo: o que você precisa considerar antes de fazer a transição?

Causa animal, saúde, cuidado com o meio ambiente ou consumo consciente: as motivações para uma pessoa se tornar vegetariana são muitas. O vegetarianismo consiste, basicamente, em não consumir produtos de origem animal (carnes, laticínios e ovos), com algumas variações. Uma pesquisa divulgada pelo Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), em abril de 2018, mostrou o crescimento da prática no país: cerca de 14% dos brasileiros se consideram vegetarianos, um aumento de 75% em comparação a 2012. Não há contraindicação para esse tipo de dieta, mas é necessário que você faça um acompanhamento médico para adequar a alimentação sem prejudicar a sua saúde.

Ver mais