Voltar para home page
Saúde

Nutrientes e saúde mental: saiba como a deficiência de vitaminas e minerais pode afetar o psicológico

Muita gente não sabe, mas a deficiência de algumas vitaminas e minerais pode prejudicar a saúde mental

Muita gente não sabe, mas a deficiência de algumas vitaminas e minerais pode prejudicar a saúde mental

Todo mundo sabe o impacto que uma dieta rica e nutritiva exerce na prevenção doenças cardíacas e endócrinas, mas você costuma associar a saúde mental com a sua alimentação? A maioria das pessoas não. Estresse, cansaço mental e ansiedade são transtornos muito comuns. No caso da depressão, o Brasil é considerado o país da América Latina com mais casos: segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 5,8% dos brasileiros sofrem com o problema - no mundo todo, são 322 milhões de pessoas. Muitos são os fatores que podem desencadear um transtorno psicológico e a deficiência de algumas vitaminas e minerais pode ser um deles.

Falta de vitaminas e minerais pode afetar o psicológico?

Muitos especialistas afirmam que a saúde começa pela boca: uma alimentação equilibrada é capaz de diminuir o risco de muitos problemas. Mas cuidar do corpo também é uma forma de prevenir os transtornos da mente - as atividades físicas, por exemplo, liberam hormônios e substâncias que melhoram o humor e a autoestima. Alguns nutrientes, por sua vez, têm um papel importante na manutenção da saúde mental e a deficiência deles pode se manifestar com sinais neurológicos. Veja como algumas vitaminas e minerais agem no seu cérebro!

Vitamina D

Conhecida por ser o único nutriente que pode ser absorvido pela exposição solar, a vitamina D desempenha um papel muito importante na saúde óssea e muscular. Mas a ciência tem buscado evidências que comprovam a relação da vitamina com a saúde mental. Um estudo publicado no Journal of Post-Acute e Long-Term Care Medicine apontou que a deficiência de vitamina D eleva em 75% as chances de um adulto, especialmente idosos, desenvolver depressão. Essa hipótese também foi confirmada por pesquisadores da Royal College of Psychiatrists: eles encontraram baixa concentração do nutriente em pacientes depressivos. A deficiência de vitamina D pode apresentar sintomas psicológicos como ansiedade, falta de concentração, tristeza e pensamentos suicidas.

Selênio

O selênio é um mineral muito importante para a saúde: fortalece a imunidade, combate os radicais livres, tem função anti-inflamatória e influencia os processos cognitivos. Recentemente, pesquisadores da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, descobriram que o nível de selênio - tanto alto quanto baixo - no corpo tem uma relação muito forte com a depressão e alterações de humor. Concentrações mais baixas do nutriente têm efeitos mais negativos ainda na saúde mental.

A oxidação no cérebro e no sistema nervoso é um fator que explica a depressão. Segundo um dos responsáveis pela pesquisa neozelandesa, a atuação antioxidante do selênio - quando ingerido em quantidades ideais - protege os tecidos corporais desse tipo de oxidação. Uma das fontes mais populares do nutriente são as castanhas, mas é preciso cautela no consumo, pois a alta quantidade de selênio no sangue pode causar intoxicação.

Vitaminas do complexo B

As oito vitaminas que compõem o complexo B são conhecidas pela ação contra o estresse. Os neurotransmissores produzidos a partir desses nutrientes ajudam a manter o humor e podem diminuir as chances de desenvolver algum transtorno psíquico. É o caso da vitamina B12 (cobalamina), responsável por sintetizar o DNA e os glóbulos vermelhos. Ela também desenvolve a mielina, uma espécie de membrana que envolve alguns neurônios.

Uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais mostrou que a deficiência de B12 no organismo pode se manifestar com sinais psicológicos, como depressão, falta de memória e alterações comportamentais. O ácido fólico (B9), por sua vez, atua junto com a cobalamina para ligar os neurotransmissores dopamina, serotonina e noradrenalina - que têm papel importante na definição do humor.

Magnésio

O magnésio desempenha uma função importante no equilíbrio do sistema nervoso e produção de energia. A deficiência do mineral, portanto, pode ter relação com alguns sinais neurológicos, como ansiedade, hiperatividade, alterações de personalidade e até depressão. Um estudo da University of Balearic Islands , na Espanha, sugere que a diminuição de substâncias como adrenalina e cortisol está associada com o baixo nível do mineral no organismo, que resulta em sintomas de estresse e ansiedade.

Últimas novidades

Mitos e verdades sobre o reajuste de plano de saúde

Saúde

Mitos e verdades sobre o reajuste de plano de saúde

Algumas dúvidas podem surgir quando o assunto é reajuste do plano de saúde. Afinal, quem calcula o valor? É possível ficar acima do IPCA? Posso ser cobrado duas vezes? Saiba a resposta para essas e outras perguntas no conteúdo que preparamos para você. Confira!

Saiba mais sobre o reajuste de plano de saúde para planos individuais

Plano de saúde

Saiba mais sobre o reajuste de plano de saúde para planos individuais

A taxa de reajuste no valor dos planos de saúde ocorre todos os anos. Essa porcentagem nem sempre é a mesma da inflação e, por isso, muitos ficam em dúvida sobre como esse cálculo é feito. Para ajudar, confira o conteúdo que preparamos com as regras para planos de Pessoa Física.

Vacinação: quais são as vacinas recomendadas para adultos e a importância de se proteger

Saúde

Vacinação: quais são as vacinas recomendadas para adultos e a importância de se proteger

Assim como as crianças, os adultos também têm um calendário de vacinação a cumprir. Além da vacina anual contra gripe, o Ministério da Saúde recomenda quatro imunizações para pessoas entre 20 e 59 anos que possuem o esquema vacinal completo (quem não tem o calendário atualizado precisa procurar um serviço para atualização). Parte da população, porém, só toma vacinas em grandes campanhas ou em caso de epidemias - O CVE (Centro de Vigilância Epidemiológica) alerta que os índices de cobertura vacinal estão abaixo do nível ideal de cobertura. Estima-se uma média de apenas 4,7%.

Conheça os alimentos mais ricos em Vitamina C

Alimentação saudável

Conheça os alimentos mais ricos em Vitamina C

A vitamina C é um nutriente essencial para a saúde e bom funcionamento do corpo humano. Reconhecida pelo alto poder antioxidante, ela é capaz de melhorar a imunidade e deixar o organismo mais forte para agir contra doenças causadas por microorganismos. Por isso a vitamina C é muito associada com a prevenção de problemas respiratórios, que aparecem com mais frequência no inverno. Encontrada em frutas cítricas e outros vegetais, o nutriente também é responsável pela produção do colágeno: essa proteína muito associada à beleza é fundamental para a sustentação dos tecidos, ossos, dentes e parede dos vasos sanguíneos.

Ver mais