Voltar para home page
Saúde

Poliomielite: entenda a importância da vacina contra paralisia infantil para prevenir a doença

Poliomielite, conhecida como paralisia infantil, é uma doença muito grave e contagiosa. Saiba como se prevenir!

Poliomielite, conhecida como paralisia infantil, é uma doença muito grave e contagiosa. Saiba como se prevenir!

Conhecida popularmente como paralisia infantil, a poliomielite (ou pólio) é uma doença muito grave e com alto poder de contaminação, que afeta principalmente crianças. O último caso registrado no Brasil foi em 1989 e o país recebeu a certificação de eliminação da doença em 1994. O Ministério da Saúde, no entanto, alerta que a doença pode voltar: a poliomielite precisa ser erradicada do mundo inteiro para não oferecer mais riscos às populações. O vírus ainda circula em países como Afeganistão, Nigéria e Paquistão e medidas preventivas são necessárias para evitar o retorno da pólio.

Vacina contra paralisia infantil é a maneira mais eficaz de prevenir a doença

A vacinação é a única forma de prevenir a ação da poliomielite. Mas, quando há baixa aderência da população às campanhas vacinais, o risco de novos surtos da doença aumenta. É o caso do sarampo, que reapareceu no território brasileiro depois da doença já ter sido erradicada. Atualmente, o Brasil está em alerta e com campanhas para conscientizar e estimular a vacinação em todas as fases da vida.

Todas as crianças com menos de cinco anos precisam ser imunizadas anualmente contra a poliomielite. Desde 2016, o Brasil implementou um novo esquema vacinal que está de acordo com a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS): três doses injetáveis - aos 2, 4 e 6 meses de idade - e duas doses de reforço com a gotinha. Adultos que não foram imunizados também correm risco de contrair a doença.

Como ocorre a transmissão da poliomielite?

A poliomielite é transmitida pelo poliovírus, um microorganismo que invade o sistema nervoso e é capaz de paralisar partes do corpo em poucas horas. O vírus é encontrado em locais sem saneamento básico e com condições precárias de higiene o habitat ideal para se proliferar. A transmissão mais comum ocorre por meio do contato com objetos, alimentos e água contaminada com secreções e fezes de pessoas com a doença. Outra possibilidade de contaminação é pela liberação de gotículas no ar através da fala, tosse ou espirros.

Poliomielite: sintomas mais comuns

A poliomielite pode ter uma ação muito silenciosa e ser descoberta apenas em estágios avançados. Os sintomas mais comuns são febre, dor de cabeça, vômitos, constipação ou diarreia, mal-estar, dor no corpo e garganta, rigidez na nuca e espasmos. Quando há reações neurológicas, a manifestação paralítica vem acompanhada de deficiência motora, flacidez muscular e sensibilidade.

Sequelas da poliomielite

A poliomielite pode causar diversas sequelas motoras em pessoas que contraem o vírus. As infecções no cérebro e na medula não têm cura e precisam ser tratadas com fisioterapia e atividades que fortaleçam os músculos para proporcionar mais autonomia e qualidade de vida aos pacientes. As sequelas mais comuns são:

- Problemas nas articulações acompanhados de dores;
- Crescimento desregulado das pernas, que faz com que a pessoa manque;
- Pé equino, conhecido também como pé torto;
- Osteoporose;
- Paralisia em algum dos membros inferiores;
- Paralisia dos músculos da fala e deglutição;
- Atrofia muscular.

Fontes: Ministério da Saúde e OPAS Brasil

Últimas novidades

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Saúde

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Diabetes é uma das doenças mais comuns e que mais matam no mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), existem mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença no Brasil e os números não param de crescer. Em muitos casos, uma pessoa pode ser diabética sem saber. A diabetes pode se manifestar nos tipos I e II: com ações diferentes no organismo, cada uma demanda um cuidado específico. Entenda mais e veja como evitar as complicações graves.

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

Bem-estar

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

As recomendações dos principais órgãos de saúde são claras: é preciso ficar em casa para se proteger do novo coronavírus. A quarentena, no entanto, pode ser muito estressante: afinal, estamos no meio de uma pandemia e longe dos amigos e família. Nesse momento, se promover alguns momentos de autocuidado e relaxamento podem ajudar. Pensando nisso, separamos 5 práticas para você cuidar do seu bem-estar físico e emocional e deixar os seus dias mais leves durante esse período difícil. Confira!

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

Saúde

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

A candidíase é uma doença causada por fungos que, em geral, atinge mais a região genital do corpo. Apesar da infecção poder afetar ambos os sexos, as mulheres são as que mais sofrem com o incômodo. A candidíase causa muito desconforto e pode ser desencadeada por desequilíbrios no sistema imunológico, estresse e uso de roupas muito apertadas. Os sintomas mais comuns são ardência, coceira, inchaço, corrimento, dor ao urinar e durante as relações sexuais. Entenda mais sobre o problema e como aliviar!

Como manter o sono regulado na quarentena?

Bem-estar

Como manter o sono regulado na quarentena?

A má qualidade de sono pode trazer diversos prejuízos para a saúde do corpo e da mente. É durante a noite que o organismo passa por processos metabólicos importantes para o seu funcionamento. Dormir a quantidade de horas recomendadas é fundamental para que o corpo se recupere energeticamente. Durante a quarentena, no entanto, as mudanças de rotina, associadas com o estresse e alimentação, podem desregular o sono e até mesmo contribuir para a insônia. Confira algumas dicas de como combater esse problema e dormir melhor nesse período complicado!

Ver mais