Voltar para home page
Saúde

Por que o isolamento social é a melhor forma de evitar a disseminação da Covid-19?

Novo coronavírus: entenda como o isolamento ajuda a desacelerar a propagação da doença

Novo coronavírus: entenda como o isolamento ajuda a desacelerar a propagação da doença

O movimento “fique em casa” tomou uma grande proporção nos últimos tempos como uma forma de evitar a disseminação do novo coronavírus. Diminuir as aglomerações de pessoas, seja no transportes públicos ou em eventos, é uma das principais recomendações das autoridades de saúde para diminuir o risco de contágio. Muitos países, incluindo o Brasil, entraram em um regime de quarentena nas últimas semanas. Com isso, aulas em escolas e faculdades foram suspensas, eventos cancelados, comércios fechados e houveram mudanças no funcionamento de serviços essenciais. Além disso, muitas empresas têm liberado seus colaboradores para trabalharem de casa no período. Mas, afinal, qual é a efetividade do isolamento social para desacelerar o avanço da Covid-19?

Quarentena é obrigatória para pessoas doentes ou com sintomas do novo coronavírus

A orientação principal é que pessoas doentes ou que estejam com algum sintoma leve da Covid-19 - como febre e tosse - fiquem isoladas por um período. O mesmo vale para aqueles que voltaram de viagens internacionais ou que tiveram contato com pessoas contaminadas (ou com suspeita). Nesses casos, é indicado o isolamento sem nenhum contato com outras pessoas. Em caso de ter alguém contaminado em casa, é preciso um cuidado redobrado para impedir que os familiares sejam infectados também.

O tempo de quarentena varia de caso para caso, mas o período de incubação do coronavírus é de 2 a 14 dias depois da contaminação. Vale lembrar que a doença pode ser assintomática em alguns casos, mas mesmo assim não impede a contaminação de outras pessoas.

Pessoas que estão no grupos de risco para o novo coronavírus devem ficar em casa

Idosos com mais de 60 anos e pessoas com doenças crônicas respiratórias, problemas no coração e diabetes estão no grupo de risco da Covid-19. Os efeitos do coronavírus nesses pacientes são agressivos e podem levar à morte de forma mais rápida. O indicado é que essas pessoas fiquem 100% em casa e tenham mais atenção ainda com a higiene.

Além disso, o distanciamento deve ser praticado mesmo com familiares que moram na mesma casa, principalmente se costumam sair de casa - mesmo que seja em situações extremamente necessárias.

Se você não está doente, não tem sintomas e não está no grupo de risco deve aderir ao isolamento social?

A resposta é sim! Se você tiver a possibilidade de trabalhar ou estudar em casa, é indicado que também entre em isolamento social, mesmo que não apresente sintomas da doença. Segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), essa é a melhor forma de evitar o colapso do sistema de saúde. Quando as pessoas ficam em casa, o risco de exposição ao vírus - e de disseminação - é diminuído.

Por isso, evite aglomerações e só saia na rua se for extremamente necessário. Ao chegar em casa, tire os sapatos e lave bem as mãos - se puder tomar um banho, melhor ainda. A recomendação é que todas as compras do supermercado, farmácia ou delivery de comida sejam devidamente higienizadas. Se você precisa passear com o seu cachorro, lave bem as patinhas do animal antes de entrar em casa. Outras orientações incluem manter uma distância mínima de 1 metro de outras pessoas sem sintomas - em caso de pacientes confirmados ou com sintomas, o indicado é manter a distância mínima de 2 metros -, não tocar o rosto com a mão suja e usar o antebraço se precisar tossir ou espirrar.

Últimas novidades

Vacina para o novo coronavírus: conheça 2 pesquisas promissoras em andamento

Saúde

Vacina para o novo coronavírus: conheça 2 pesquisas promissoras em andamento

Os resultados de uma vacina contra a Covid-19 podem estar próximos. A pandemia do novo coronavírus alterou o modo de vida da sociedade. O isolamento social trouxe novas formas de consumo, hábitos e trabalho, além da forma como lidamos com a saúde. Desde então, muitos institutos de pesquisa espalhados pelo mundo estão estudando os efeitos do vírus e possibilidades de imunização.

Formigamento nas mãos: 5 principais motivos por trás do incômodo

Saúde

Formigamento nas mãos: 5 principais motivos por trás do incômodo

A sensação de formigamento nas mãos é algo comum para muita gente e, embora seja um sintoma simples, precisa de atenção. Isso porque diversos motivos podem estar por trás do formigamento, desde um problema de circulação até um Acidente Vascular Cerebral (AVC). O indicado é observar o quadro e, dependendo da forma como se manifesta, o atendimento médico pode ser necessário.

Quais as principais causas de queda de cabelo?

Saúde

Quais as principais causas de queda de cabelo?

A queda de cabelo é um problema muito comum, mas quando identificar se está perdendo mais fios do que o considerado saudável? O normal é que uma pessoa perca de 100 a 150 fios por dia de forma natural para que o cabelo cresça novamente. Quando a quantidade ultrapassa isso, é sinal de que pode haver um problema clínico por trás. A queda excessiva de cabelo pode ser observada na escovação diária, durante a lavagem ou até mesmo depois de acordar, quando se percebe muitos fios no travesseiro.

Como lidar com os distúrbios do sono na quarentena?

Bem-estar

Como lidar com os distúrbios do sono na quarentena?

A quarentena tem afetado, em grande parte da população, o modo de viver e de interagir com o mundo. Viver numa situação de pandemia também trouxe muita preocupação, que se reflete em ansiedade e distúrbios do sono. Insônia, sono muito leve, acordar várias vezes, não conseguir manter uma rotina de sono ou se sentir extremamente cansado mesmo depois de dormir bem são os problemas mais comuns nesse período de isolamento social.

Ver mais