Voltar para home page
Saúde

Vacinas para viagens: você sabe como se preparar para as férias?

Antes de planejar uma viagem é importante verificar casos de epidemia no destino e as vacinas recomendadas

Antes de planejar uma viagem é importante verificar casos de epidemia no destino e as vacinas recomendadas

Com a chegada de mais um período de férias, uma preocupação que não pode faltar na sua lista de preparação são as recomendações de vacinas para viagens. No Brasil, a depender do destino, é fundamental estar com o calendário de vacinas atualizado e ficar atento a possíveis epidemias. O mesmo vale para viagens internacionais: alguns países exigem imunizações específicas e também podem apresentar surtos de doenças.

Quais as vacinas recomendadas para viagens?

A vacinação é a principal forma de prevenir determinadas doenças - algumas muito graves. Antes de viajar, é preciso verificar o cartão de vacinas e se programar para tomar aquelas que não estão atualizadas. Entre as orientações básicas ao viajante, também é recomendado marcar uma consulta médica entre quatro e oito semanas antes da viagem para uma avaliação geral de saúde. Veja abaixo as vacinas obrigatórias para viagens nacionais e internacionais e o tempo que precisa estar imunizado antes de viajar:

#1 Febre Amarela

Endêmica na região amazônica e com algumas ocorrências de surtos em outras capitais, a vacina de febre amarela é a melhor forma de prevenir e controlar a doença. O vírus é transmitido pelo Aedes aegypti, também responsável pela contaminação de dengue, zika e chikungunya. Alguns países exigem a vacina para a entrada de estrangeiros por meio do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) - para verificar a lista de países com risco de transmissão e aqueles que exigem o certificado, consulte os sites da Anvisa ou da Organização Mundial da Saúde. A dose padrão da vacina deve ser recebida com pelo menos 10 dias de antecedência.

#2 Poliomielite

Sem casos registrados no Brasil desde 1990, a poliomielite ainda se mantém endêmica em alguns países (Afeganistão, Paquistão e Nigéria) e com incidências de surtos ou em risco de reinfecção em outras regiões - para verificar a lista, acesse o site da Polio Eradication . Adultos e crianças não imunizadas que vão viajar para esses países precisam tomar a vacina pelo menos quatro semanas antes da viagem.

#3 Tríplice Viral - sarampo, caxumba e rubéola

A vacina tríplice viral é o único meio de proteção contra sarampo, caxumba e rubéola. Muitos países permanecem na lista de regiões endêmicas ou apresentam surtos - atualmente, os estados do Amazonas e Roraima enfrentam surtos de sarampo, por exemplo. Se nunca vacinada, a pessoa precisa tomar duas doses. Nas férias, se programe com pelo menos 15 dias de antecedência para atualizar o cartão de vacinas.

#4 Dupla adulto - Difteria e tétano

Ambas prevenidas com a vacinação, difteria e tétano são doenças muito graves que podem levar à morte. Muitos países enfrentam surtos de difteria, infecção que atinge nariz, garganta, faringe e pode chegar ao sangue. Já o tétano afeta o sistema nervoso central. A vacina precisa ser reforçada a cada dez anos para se manter eficaz. Antes de viajar, verifique seu cartão de vacinas.

#5 Hepatites A e B

Alguns países recomendam a vacinação contra as hepatites A e B, inflamações que atingem o fígado. No caso da hepatite B, crianças precisam tomar quatro doses, enquanto adultos que nunca foram imunizados necessitam de três etapas de vacinação - fique atento com os prazos, pois as doses precisam ser aplicadas em intervalos de 30 e 180 dias.

Fonte: Ministério da Saúde

Últimas novidades

Como funciona a vacina contra HPV?

Saúde

Como funciona a vacina contra HPV?

A vacina contra HPV (Papilomavírus Humano) é uma das formas mais eficazes de prevenir a infecção, que pode ter vários tipos e níveis de gravidade. A transmissão ocorre pelo contato sexual ou de mãe para filho e pode atingir pele e mucosas. Além disso, algumas versões do vírus são agentes causadores de diversos cânceres, incluindo o do colo de útero - que, segundo a Organização Mundial da Saúde, afeta cerca de 290 milhões de mulheres no mundo inteiro. A vacina tem uma ação preventiva contra os tipos mais comuns da infecção e pode ser administrada ainda na adolescência.

Acidente Vascular Cerebral: o que é, causas e como prevenir

Emergência

Acidente Vascular Cerebral: o que é, causas e como prevenir

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma dos problemas mais comuns no mundo inteiro. Também conhecido com derrame cerebral, ele acontece por causas variadas e pode levar à morte - ou provocar consequências graves que afetam toda a vida do paciente. A junção de alguns sintomas ajudam a identificar o problema, que precisa de um atendimento médico imediato. O AVC ainda é cercado de mitos e dúvidas, mas uma coisa é certa: o problema pode ser evitado com atitudes simples no dia a dia.

4 benefícios cientificamente comprovados da meditação

Terapias

4 benefícios cientificamente comprovados da meditação

A meditação é um método milenar associado à saúde e ao bem-estar físico e mental. Não se sabe ao certo quando ou onde surgiu, já que a prática acompanha a humanidade desde os seus primórdios, mas uma coisa é certa: a meditação tem ganhado mais popularidade e, inclusive, é indicada no tratamento de diversos transtornos. O método pode ser resumido como um treinamento da mente para esvaziar ou redirecionar os pensamentos. Na prática, é muito mais do que isso e a ciência pode comprovar. Veja abaixo 4 benefícios da meditação com respaldo científico!

Vegetarianismo: o que você precisa considerar antes de fazer a transição?

Alimentação saudável

Vegetarianismo: o que você precisa considerar antes de fazer a transição?

Causa animal, saúde, cuidado com o meio ambiente ou consumo consciente: as motivações para uma pessoa se tornar vegetariana são muitas. O vegetarianismo consiste, basicamente, em não consumir produtos de origem animal (carnes, laticínios e ovos), com algumas variações. Uma pesquisa divulgada pelo Ibope (Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística), em abril de 2018, mostrou o crescimento da prática no país: cerca de 14% dos brasileiros se consideram vegetarianos, um aumento de 75% em comparação a 2012. Não há contraindicação para esse tipo de dieta, mas é necessário que você faça um acompanhamento médico para adequar a alimentação sem prejudicar a sua saúde.

Ver mais