Voltar para home page
Saúde

Vício em descongestionantes nasais: por que isso é um grave problema de automedicação?

Uso contínuo do descongestionante nasal pode causar efeito rebote e gerar outros problemas de saúde

Uso contínuo do descongestionante nasal pode causar efeito rebote e gerar outros problemas de saúde

O vício em descongestionante nasal é mais comum do que parece e há muitas explicações por trás. Uma das principais funções do nariz é melhorar a qualidade do ar que respiramos. Mas o que acontece quando esse órgão é afetado por uma inflamação, infecção ou questões anatômicas, como o desvio de septo? A passagem do oxigênio fica comprometida - e é aí que ocorre a congestão nasal, o popular “nariz entupido”.

O que é a congestão nasal?

Frio, baixa umidade relativa do ar e poluição são as condições ideais para a entrada de vírus, fungos e bactérias no corpo - e, quando é assim, o nariz é o primeiro órgão a reagir. É ele que filtra o ar que respiramos para evitar que as substâncias prejudiciais cheguem ao pulmão.

Isso só é possível por conta de sua estrutura formada por pequenos pelos cobertos de muco - que ajudam a umedecer todo o sistema respiratório e, assim, impedir a entrada de elementos estranhos. Além disso, as narinas são compostas por vasos sanguíneos que aquecem o ar e garantem que ele chegará na temperatura adequada aos pulmões.

Quando sofre alguma alteração, a congestão nasal aparece, causando diversos desconfortos. Uma forma de aliviar isso é utilizando descongestionantes nasais, que podem ser encontrados com facilidade nas farmácias. O problema é que o uso contínuo desse produto pode viciar e trazer outros problemas de saúde.

Quais reações no corpo a congestão nasal provoca?

O desconforto da congestão nasal é, na verdade, um mecanismo de defesa muito útil para impedir que agentes prejudiciais cheguem em outros órgãos do sistema respiratório: os vasos sanguíneos se abrem, o fluxo de sangue aumenta e as paredes laterais do nariz incham. Então, é válido lembrar que a congestão nasal não é uma doença, mas um sintoma de que nosso sistema de defesa está em atuação.

Para interromper esse quadro, é importante descobrir o que está dificultando a passagem do ar para definir o tratamento adequado - e alguns dos motivos mais comuns são crise alérgica, rinite, sinusite, gripe e resfriado.

Ao usar descongestionantes nasais, estamos lidando apenas com o sintoma, e é aí que está o maior risco: como a questão de saúde não foi resolvida, a congestão continuará ocorrendo.

Descongestionante nasal: os perigos da automedicação

Se usado com orientação médica e por até três dias, o descongestionante traz alívio imediato ao desconforto. Ele atua como um antídoto direto à reação do corpo, contraindo os vasos, diminuindo o fluxo sanguíneo e, consequentemente, liberando a passagem do ar para que o processo de respiração volte ao normal.

Por sua venda livre em farmácias, pode parecer que esse medicamento não gera efeitos adversos. Mas isso não é verdade. O uso contínuo traz graves consequências ao organismo. O primeiro deles é o efeito rebote: apesar de eficiente, o alívio é passageiro.

Depois de um tempo, o nariz volta a entupir e a pessoa sente a necessidade de reaplicar o remédio, gerando a chamada “rinite medicamentosa”. Ou seja, o nariz perde a capacidade de contrair e dilatar sem o uso de descongestionantes.

Outro problema é que, por conta dos vasos sanguíneos existentes, as substâncias presentes no medicamento não ficam restritas ao nariz e podem chegar ao sistema cardiovascular por meio do sangue. Em casos mais graves, isso pode resultar em trombose, aumento da pressão arterial, coração acelerado, tonturas e dores de cabeça.

Lidando com a congestão nasal

A prevenção é o melhor caminho para evitar o desconforto do nariz entupido. Aplicar soro fisiológico todas as vezes que sentir as narinas secas ajuda a manter a hidratação da região. Além disso, aumentar o consumo de água e evitar a exposição constante ao ar condicionado (que resseca o ar) são importantes aliados.

Caso, ainda assim, os quadros de congestão nasal apareçam com frequência, é indicado procurar um otorrinolaringologista para identificar a causa e realizar o correto tratamento.

Últimas novidades

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Saúde

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Diabetes é uma das doenças mais comuns e que mais matam no mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), existem mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença no Brasil e os números não param de crescer. Em muitos casos, uma pessoa pode ser diabética sem saber. A diabetes pode se manifestar nos tipos I e II: com ações diferentes no organismo, cada uma demanda um cuidado específico. Entenda mais e veja como evitar as complicações graves.

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

Bem-estar

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

As recomendações dos principais órgãos de saúde são claras: é preciso ficar em casa para se proteger do novo coronavírus. A quarentena, no entanto, pode ser muito estressante: afinal, estamos no meio de uma pandemia e longe dos amigos e família. Nesse momento, se promover alguns momentos de autocuidado e relaxamento podem ajudar. Pensando nisso, separamos 5 práticas para você cuidar do seu bem-estar físico e emocional e deixar os seus dias mais leves durante esse período difícil. Confira!

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

Saúde

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

A candidíase é uma doença causada por fungos que, em geral, atinge mais a região genital do corpo. Apesar da infecção poder afetar ambos os sexos, as mulheres são as que mais sofrem com o incômodo. A candidíase causa muito desconforto e pode ser desencadeada por desequilíbrios no sistema imunológico, estresse e uso de roupas muito apertadas. Os sintomas mais comuns são ardência, coceira, inchaço, corrimento, dor ao urinar e durante as relações sexuais. Entenda mais sobre o problema e como aliviar!

Como manter o sono regulado na quarentena?

Bem-estar

Como manter o sono regulado na quarentena?

A má qualidade de sono pode trazer diversos prejuízos para a saúde do corpo e da mente. É durante a noite que o organismo passa por processos metabólicos importantes para o seu funcionamento. Dormir a quantidade de horas recomendadas é fundamental para que o corpo se recupere energeticamente. Durante a quarentena, no entanto, as mudanças de rotina, associadas com o estresse e alimentação, podem desregular o sono e até mesmo contribuir para a insônia. Confira algumas dicas de como combater esse problema e dormir melhor nesse período complicado!

Ver mais