Voltar para home page
Saúde

8 mitos e verdades sobre a caxumba

A caxumba é cercada de mitos. Separamos os principais aqui para tirar todas as suas dúvidas!

A caxumba é cercada de mitos. Separamos os principais aqui para tirar todas as suas dúvidas!

Conhecida pelo inchaço no pescoço, a caxumba é uma infecção viral que atinge as glândulas responsáveis pela produção de saliva (parótidas) e aquelas que ficam próximas ao ouvido (submandibulares e sublinguais). Com um período de incubação de duas a três semanas até se manifestar, é muito raro a caxumba provocar morte, mas os casos mais graves podem causar surdez, meningite e até esterilidade. A doença também pode afetar o tecido glandular, responsável pela formação das glândulas secretoras, e o sistema nervoso.

Como ocorre a transmissão da caxumba e como prevenir?

A transmissão do vírus da família Paramyxoviridae ocorre por via respiratória, normalmente pela inalação de gotículas contaminadas que são espalhadas no ar pela tosse ou espirro - ou mesmo por contato direto com a saliva de pessoas com a infecção. Há a possibilidade de haver transmissão indireta pelo contato com objetos e utensílios contaminados, mas a ocorrência é menos frequente. Segundo o Ministério da Saúde, a criação da vacina de prevenção diminuiu drasticamente o número de casos da doença no Brasil. Apesar de ser uma doença comum, a caxumba ainda é cercada de dúvidas sobre os sintomas, prevenção e tratamento.

A vacina é desenvolvida a partir do vírus da própria doença. Ela pode ser aplicada de forma isolada, mas geralmente é conjunta com as vacinas de sarampo e rubéola, formando assim a Tríplice Viral. Em crianças, a primeira dose é administrada aos 12 meses. Já a segunda é feita entre quatro e seis anos de idade. Grávidas, pessoas com imunodeficiências e adultos que nunca foram vacinados seguem um calendário específico da doença.

Dúvidas sobre caxumba: veja 8 mitos e verdades!

É comum haver reinfecção pelo vírus da caxumba: MITO

Uma vez infectada pela caxumba, a pessoa cria imunidade contra a doença. Por isso, a ocorrência de reinfecção é muito rara. Mas atenção: se a doença afetou apenas um lado do pescoço, o outro pode ser infectado em outro momento.

Caxumba na gestação pode prejudicar o bebê: VERDADE

O vírus pode causar complicações ao feto caso a mulher contraia a doença nos três primeiros meses de gestação. Em alguns casos, pode provocar aborto espontâneo. A indicação é que mulheres que nunca tiveram a doença ou não tomaram a vacina atualizem o calendário de vacinação antes de engravidar.

Caxumba tem sintomas semelhantes aos da gripe e dengue: VERDADE

A caxumba se manifesta com sintomas bastante comuns em doenças virais, como gripe e dengue: febre, fraqueza, dores de cabeça e musculares e perda de apetite. O que a diferencia é o inchaço no pescoço, na área próxima aos ouvidos, e a dificuldade e dores ao mastigar e engolir. O mais indicado é buscar atendimento médico para o diagnóstico certo.

O paciente infectado por caxumba não precisa ficar isolado: MITO

A partir do diagnóstico, é necessário que o paciente evite contato com outras pessoas para não propagar a doença. Além disso, recomenda-se não compartilhar utensílios como copos, pratos e talheres.

Crianças são mais vulneráveis ao vírus: VERDADE

Apesar de poder atingir pessoas de todas as idades, a caxumba é mais frequente em crianças em idade escolar e adolescentes.

Vírus da caxumba pode se instalar nos testículos e ovários: VERDADE

É bem raro, mas as complicações da caxumba podem desencadear inflamação nos testículos (orquite) e nos ovários (oforite). De acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 20% a 30% dos homens adultos desenvolvem a infecção nos testículos. Já em mulheres ocorre com menos frequência, atingindo apenas 5% dos casos de contaminação pelo vírus.

Existe um tratamento específico para a caxumba: MITO

Os sintomas da caxumba costumam regredir espontaneamente e não há um tratamento específico para a doença. Após o diagnóstico, a indicação é manter repouso e tomar medicamentos para dor e diminuição da febre. No entanto, é importante buscar atendimento médico para observação dos sintomas.

Aglomeração de pessoas propicia a contaminação: VERDADE

A principal forma de transmissão da caxumba é pelas gotículas de saliva e secreção respiratória jogadas no ar pela tosse e espirro. Por isso, locais fechados e com mais quantidade de pessoas, como escolas e transporte público, são mais propensos para a contaminação.

Fontes: Fiocruz e Ministério da Saúde

Últimas novidades

Veja os benefícios do ciclismo e como começar a praticar com segurança

Exercício físico

Veja os benefícios do ciclismo e como começar a praticar com segurança

O ciclismo é um esporte muito prazeroso e que traz diversos benefícios para a saúde física e mental. Podendo ser realizada de diversos jeitos, a atividade física é praticada de forma competitiva, recreativa ou até mesmo como um meio de transporte. Na hora de pedalar, o corpo e a mente trabalham juntos promovendo um bem-estar geral. Mas como começar a praticar esse exercício com segurança? Reunimos informações sobre isso e todas as vantagens do ciclismo. Dá só uma olhada!

5 exercícios físicos para fazer nos dias de calor

Exercício físico

5 exercícios físicos para fazer nos dias de calor

O frio pode ser uma grande desculpa para deixar de praticar atividades físicas. Mas nos dias de muito calor, a indisposição também não fica para trás, já que nosso corpo fica mais propenso à desidratação e se cansa mais rápido. Praticar exercícios físicos no verão requer alguns cuidados, como evitar sair de casa nos horários mais quentes e preferir alimentos mais leves, além de se hidratar mais que o normal. Mas afinal, pode fazer qualquer exercício físico nos dias muito quentes? Quais as melhores atividades mais indicadas para o período?

5 coisas que aprendemos com a pandemia do coronavírus sobre saúde e cuidados

Saúde

5 coisas que aprendemos com a pandemia do coronavírus sobre saúde e cuidados

Não se pode negar que a pandemia do novo coronavírus afetou a vida de todos, mudando completamente a rotina em vários âmbitos. Mas não foi somente isso que sofreu alterações: o último ano também levou à população importantes reflexões. Cuidados com a saúde, com o corpo e com as pessoas ao redor virou uma prioridade nesse “novo normal”. Esses aprendizados se tornaram hábitos que podem permanecer mesmo depois que a pandemia for controlada.

6 dicas para aliviar os efeitos do calor no verão

Bem-estar

6 dicas para aliviar os efeitos do calor no verão

O verão pode ser muito intenso em algumas cidades do Brasil. Aliviar o calor no verão pode parecer uma missão impossível, principalmente quando o ventilador parece não dar conta da situação. Com as temperaturas cada vez mais altas a cada ano, truques caseiros podem ser uma boa alternativa para aliviar o calor no verão.

Ver mais