Voltar para home page
Saúde

Vacinação: quais são as vacinas recomendadas para adultos e a importância de se proteger

Adultos também precisam se proteger de algumas doenças. Veja abaixo qual é o esquema vacinal indicado pelo Ministério da Saúde!

Adultos também precisam se proteger de algumas doenças. Veja abaixo qual é o esquema vacinal indicado pelo Ministério da Saúde!

Assim como as crianças, os adultos também têm um calendário de vacinação a cumprir. Além da vacina anual contra gripe, o Ministério da Saúde recomenda quatro imunizações para pessoas entre 20 e 59 anos que possuem o esquema vacinal completo (quem não tem o calendário atualizado precisa procurar um serviço para atualização). Parte da população, porém, só toma vacinas em grandes campanhas ou em caso de epidemias - O CVE (Centro de Vigilância Epidemiológica) alerta que os índices de cobertura vacinal estão abaixo do nível ideal de cobertura. Estima-se uma média de apenas 4,7%.

A vacinação ainda é o meio mais eficaz de erradicar doenças graves e não se imunizar representa um perigo para toda a população. Isso porque algumas doenças que são controladas ou já foram erradicadas podem voltar ao Brasil. Além disso, a imunização evita a transmissão de doenças para outras pessoas que ainda não podem ser vacinadas, como o caso de bebês que não chegaram na idade ideal para receber algumas.

Veja abaixo quais são as vacinas recomendadas aos adultos:

Tríplice Viral - previne sarampo, caxumba e rubéola

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Se nunca vacinada, a pessoa precisa tomar duas doses entre 20 e 29 anos e uma dose se tiver entre 30 e 49 anos. O Ministério da Saúde recomenda a tríplice viral até essa idade porque acima de 50 a pessoa provavelmente já teve contato com o vírus e criou anticorpos - mas isso não significa que os mais velhos não podem se vacinar.

Hepatite B

A hepatite B é uma inflamação no fígado que pode ser causada pelo vírus, uso de alguns medicamentos ou mesmo doenças metabólicas, genéticas ou autoimunes. O ideal é que a vacina seja feita em quatro doses nas crianças. Já no caso de adultos que nunca foram imunizados, é necessário tomar três doses. De acordo com o Ministério da Saúde, pessoas que tenham o vírus HIV ou alguma imunodepressão precisam buscar um atendimento específico nos Centros de Imunobiológicos Especiais (CRIE) para receberem as doses em dobro.

Febre amarela

A febre amarela ainda não foi erradicada do Brasil, por isso, a vacinação é o principal método de prevenção e controle. A doença é endêmica na região amazônica e fora dela há alguns períodos de surto que necessitam de campanhas massivas para vacinar a população. A maior parte dos casos ocorrem entre os meses de dezembro e maio e as epidemias surgem quando o vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, encontra ambientes favoráveis para a transmissão. Em 2017, o Brasil aderiu ao esquema vacinal de apenas uma dose em toda a vida, baseado nas recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Dupla adulto (DT) - previne difteria e tétano

A vacina Dupla protege contra a difteria e tétano e pode ser recebida por adultos em qualquer idade. A difteria é uma infecção grave que normalmente atinge nariz, garganta e faringe com camadas branco-acinzentadas. Já o tétano afeta o sistema nervoso central e é causado por uma toxina que entra no organismo por meio de ferimentos com objetos enferrujados, como pregos e arames. A vacina precisa ser reforçada a cada dez anos para ter eficácia. No caso de pessoas que tomaram a última dose há mais de dez anos, o recomendado é receber uma dose extra.

Vacina Pneumocócica 23 valente

A vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica) protege adultos e crianças de infecções causadas pelos pneumococos, que provocam doenças como pneumonia, meningite e bacteremia/septicemia (infecção generalizada no sangue). A imunização é indicada para adultos a partir de 50 anos e pessoas com condições especiais, como:

- Apresente doenças crônicas, alcoolismo, perda de fluido cerebroespinhal;
- Não tenham o baço, ou se o órgão não funcionar bem;
- Tenham infecção pelo HIV, doença de Hodgkin, linfoma, mieloma múltiplo, leucemia, câncer generalizado, insuficiência renal crônica ou síndrome nefrótica;
- Recebam quimioterapia para câncer ou outro tratamento imunossupressor (incluindo corticoides) ou tenham sido submetidas a transplante de órgãos ou de medula óssea;
- Frequentem ambientes especiais ou locais com risco aumentado de infecção pneumocócica.

Fonte: Ministério da Saúde e Sistema Brasileiro de imunização

Últimas novidades

Câncer de ovário: causas, como identificar e tratamentos

Saúde

Câncer de ovário: causas, como identificar e tratamentos

O câncer de ovário é difícil de ser diagnosticado, sendo a segunda neoplasia ginecológica mais comum. Esse tipo de câncer é o mais letal entre os cânceres ginecológicos. Mais frequente em mulheres com mais de 40 anos, o câncer de ovário demora a apresentar sintomas, o que resulta no diagnóstico tardio. Estima-se que cerca de 75% dos casos são diagnosticados quando a doença já está avançada.

Como manter a diabetes controlada?

Saúde

Como manter a diabetes controlada?

A diabetes é uma doença metabólica em que o corpo não consegue produzir uma quantidade suficiente de insulina, hormônio responsável pelo controle da glicose no sangue. Com a falta da substância, o paciente diabético sofre com o aumento do nível de glicose na corrente sanguínea, que é o que chamamos de hiperglicemia. Segundo o Ministério da Saúde, estima-se que 9 milhões de pessoas têm diabetes, e infelizmente esse é um número que só cresce a cada ano. Então, o que fazer para manter a diabetes controlada? Separamos algumas dicas que podem ajudar no problema.

Escutar música alta pode comprometer a audição?

Saúde

Escutar música alta pode comprometer a audição?

Ouvir música é um hábito que faz parte da vida de muita gente. Basta ir às ruas e observar a quantidade de pessoas com fones de ouvido imersos em seu próprio universo para se dar conta de como a música está presente em todo lugar. No entanto, é importante ficar atento ao volume e a frequência desse hábito. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), quase 50% das pessoas entre 12 e 35 anos correm o risco de sofrer perda auditiva por causa da exposição prolongada e excessiva a sons muito altos, o que corresponde a 1,1 bilhão da população.

Exercícios físicos na gravidez: qual a importância e os cuidados durante a prática

Exercício físico

Exercícios físicos na gravidez: qual a importância e os cuidados durante a prática

Quando uma mulher está grávida, surgem muitas dúvidas sobre a realização de atividades físicas durante a gestação e como isso deve ser feito sem prejudicar a saúde da nova mamãe ou do bebê que está a caminho. É importante conversar com o obstetra antes de dar início a essa rotina, mas geralmente os exercícios físicos são bastante benéficos para o desenvolvimento da gestação. Para entender melhor quais são os benefícios dessa prática, quais são os exercícios físicos mais indicados para mulheres grávidas e que cuidados são necessários, o Cuidados Mil preparou uma matéria com tudo que você precisa saber sobre o assunto.

Ver mais