Voltar para home page
Saúde

10 fatos sobre a osteoporose que precisam da sua atenção

A osteoporose pode ser prevenida com a adoção de um estilo de vida mais saudável

A osteoporose pode ser prevenida com a adoção de um estilo de vida mais saudável

Capaz de tirar a segurança e qualidade de vida na velhice, a osteoporose atinge milhares de pessoas no mundo, especialmente mulheres e idosos. A doença se caracteriza pela perda progressiva de massa óssea, que ocorre quando o organismo já não produz células suficientes para o processo de renovação do esqueleto. Com os ossos mais frágeis, aumenta-se a possibilidade de fraturas. A osteoporose é silenciosa e só começa a apresentar sinais por volta dos 50 anos de idade - geralmente, o diagnóstico ocorre apenas depois de alguma ruptura no osso.

Entenda a osteoporose e saiba os cuidados essenciais para evitar as fraturas

Pessoas com osteoporose estão sempre em alerta e, muitas vezes, é necessário adotar alguns procedimentos de segurança para evitar quedas. A prevenção deve ser uma preocupação constante em todas as etapas da vida. Para entender mais e saber os cuidados necessários para evitar a osteoporose, veja 10 fatos sobre a doença que precisam da sua atenção.

1) Osteoporose é uma doença muito comum

Cerca de 10 milhões de brasileiros têm osteoporose, segundo o Ministério da Saúde, com pelo menos 2,4 milhões de fraturas provocadas pela doença no país. A osteoporose também causa muitas mortes no Brasil: 200 mil pessoas sofrem complicações desencadeadas pelas fraturas. Com o envelhecimento populacional, há estimativa de um aumento de 400% nos casos de fraturas decorrentes da doença em 2050 (em comparação a 1950).

2) Mulheres são as que mais sofrem com a osteoporose

As mulheres são as mais atingidas pela osteoporose: são cerca de 200 milhões no mundo inteiro que sofrem com a doença. Isso ocorre porque os ossos têm uma ligação com o hormônio feminino estrogênio - também presente nos homens em menor quantidade. Uma das funções do estrogênio é equilibrar os processos de perda e ganho da massa óssea.

3) Grupos de risco da osteoporose

A osteoporose tem um caráter genético. Estudos comprovaram que mulheres brancas, com baixa estatura e magras estão mais suscetíveis a desenvolver a doença. O grupo de risco ainda é composto por fumantes, pessoas com histórico de fraturas nos parentes mais próximos e aqueles que utilizaram medicamentos corticoides por longos períodos. A menopausa precoce também é um fato que pode acelerar os sinais da osteoporose e precisa de atenção.

4) Menopausa é um indício para o surgimento da osteoporose

É na menopausa que a osteoporose começa a se manifestar. Nesse período, há uma diminuição considerável do estrogênio no organismo das mulheres, provocando assim a fragilidade e descalcificação dos ossos. Dados da Federação Internacional da Osteoporose apontam que uma em cada três mulheres vão sofrer com a doença a partir dos 50 anos de idade.

5) A prevenção da doença começa nos primeiros anos de vida

A alimentação balanceada é a melhor forma de prevenir a osteoporose. Essa preocupação começa na infância, com a ingestão correta de nutrientes e alimentos ricos em cálcio, e deve seguir ao longo da vida. Além disso, é importante fortalecer os ossos em desenvolvimento. Por isso, estimule as crianças a brincarem e praticarem esportes desde cedo.

6) Atividades físicas são a melhor forma de prevenir e tratar a doença

Os exercícios físicos são a melhor forma de prevenir a osteoporose. As atividades vão ajudar a fortalecer os músculos e aumentar a densidade óssea. Após o diagnóstico da doença, os exercícios são recomendados para proporcionar mais segurança e qualidade de vida aos pacientes.

7) Locais do corpo mais atingidos pela doença

A osteoporose costuma atingir mais a coluna, braço, punho e fêmur. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a última é a mais perigosa e pode acarretar morte em seis meses ou diminuição da mobilidade, autonomia e qualidade de vida do paciente.

8) Exame específico avalia a densidade óssea

O diagnóstico é possível por meio do exame de Densitometria Óssea, que mede a densidade dos ossos. A avaliação é recomendada para todas as mulheres com mais de 65 anos e homens a partir dos 70. O exame pode ser solicitado antes dessa fase se o paciente apresentar algum fator de risco para desenvolvimento da doença.

9) Sinais só aparecem quando a doença está em grau avançado

Considerada uma doença altamente silenciosa, a osteoporose dificilmente apresenta sinais ao longo da vida e costuma se manifestar com fraturas graves - ou seja, quando já está em um grau avançado. No entanto, dor frequente na coluna e alteração na estatura podem indicar fraturas vertebrais decorrentes da doença. Os exames preventivos, principalmente se você já tiver predisposição genética, são a melhor forma de diagnosticar a tempo de evitar complicações.

10) Papel das vitaminas e nutrientes na prevenção da osteoporose

Além de ter uma alimentação balanceada e praticar exercícios, é preciso garantir que seu corpo está recebendo as quantidades necessárias de nutrientes. A vitamina D, por exemplo, tem um papel muito importante na prevenção da osteoporose: ela ajuda a fortalecer a massa óssea, resultando em um esqueleto mais saudável. A exposição solar é a melhor forma de absorver a vitamina. É preciso ficar atento também ao consumo de alimentos ricos em cálcio.

Fontes: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e Ministério da Saúde

Últimas novidades

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Saúde

Diabetes I e II: qual a diferença entre os dois tipos da doença?

Diabetes é uma das doenças mais comuns e que mais matam no mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), existem mais de 13 milhões de pessoas vivendo com a doença no Brasil e os números não param de crescer. Em muitos casos, uma pessoa pode ser diabética sem saber. A diabetes pode se manifestar nos tipos I e II: com ações diferentes no organismo, cada uma demanda um cuidado específico. Entenda mais e veja como evitar as complicações graves.

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

Bem-estar

Quarentena: 5 práticas de autocuidado para deixar seus dias mais leves

As recomendações dos principais órgãos de saúde são claras: é preciso ficar em casa para se proteger do novo coronavírus. A quarentena, no entanto, pode ser muito estressante: afinal, estamos no meio de uma pandemia e longe dos amigos e família. Nesse momento, se promover alguns momentos de autocuidado e relaxamento podem ajudar. Pensando nisso, separamos 5 práticas para você cuidar do seu bem-estar físico e emocional e deixar os seus dias mais leves durante esse período difícil. Confira!

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

Saúde

Candidíase: o que causa e como aliviar o desconforto?

A candidíase é uma doença causada por fungos que, em geral, atinge mais a região genital do corpo. Apesar da infecção poder afetar ambos os sexos, as mulheres são as que mais sofrem com o incômodo. A candidíase causa muito desconforto e pode ser desencadeada por desequilíbrios no sistema imunológico, estresse e uso de roupas muito apertadas. Os sintomas mais comuns são ardência, coceira, inchaço, corrimento, dor ao urinar e durante as relações sexuais. Entenda mais sobre o problema e como aliviar!

Como manter o sono regulado na quarentena?

Bem-estar

Como manter o sono regulado na quarentena?

A má qualidade de sono pode trazer diversos prejuízos para a saúde do corpo e da mente. É durante a noite que o organismo passa por processos metabólicos importantes para o seu funcionamento. Dormir a quantidade de horas recomendadas é fundamental para que o corpo se recupere energeticamente. Durante a quarentena, no entanto, as mudanças de rotina, associadas com o estresse e alimentação, podem desregular o sono e até mesmo contribuir para a insônia. Confira algumas dicas de como combater esse problema e dormir melhor nesse período complicado!

Ver mais